A estudante LGBT+ Amy Begent, que está no último ano do curso de Belas Artes da Universidade de Loughborough, na Inglaterra, apresentou como parte do trabalho final uma animação em stop-motion, chamado “Spud”, em que retrata o apoio recebido do pai durante o processo de descoberta da sexualidade.

A jovem conta que a intenção inicial era falar sobre a sua identidade e a orientação sexual, mas percebeu que grande parte da autoaceitação foi graças ao apoio do pai. O título do vídeo também é uma referência a relação, já que “Spud” era como ele chamava a filha desde o nascimento.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

O projeto narra o desenvolvimento do relacionamento entre pai e filha, além do apoio que ela sempre recebeu, como quando ela estava passando por um distúrbio alimentar ou como ele a inspirou a entrar na arte.

Um dos momentos mais especiais foi quando ela saiu do armário com uma carta escrito “obrigado por abir a porta. Já estava na hora de eu sair do armário” e um arco-íris embaixo. Para completar a mensagem, o bilhete foi deixado dentro do armário do pai.

VEJA TAMBÉM:  Estrela da NBA, Dwyane Wade diz que é seu papel como pai, apoiar seu filho LGBT

No momento da revelação, Amy conta que: “Ele também fez eu sentir segura para falar quando eu pensei que só queria gritar. No entanto, quando eu tinha 18 anos, existia uma coisa que lutava para conseguir contar. Depois de alguns anos me sentindo mal, eu não queria mais deixar isso de lado. A maneira como ele reagiu me fez entender o sentimento de orgulho.”

A estudante disse que “compartilhar algo tão pessoal é realmente assustador e é como sair novamente. É assustador, mas é libertador. Eu diria às pessoas que estão pensando em se assumir ou têm medo de que é muito importante fazê-lo quando estiver pronto”.

“Após uma auto-reflexão recente, aprendi que minha própria sexualidade não se limita a atos diretos relacionados a ela, mas sim que envolve toda a minha experiência. Desde que cheguei a essa conclusão, meu trabalho se tornou uma exploração do passado e de meu relacionamento com meu pai. Extraio momentos importantes, da memória pessoal de me assumir para ele, às lembranças mais relacionadas de passeios de bicicleta e piqueniques”, revelou Amy.

VEJA TAMBÉM:  Nicholas Petricca, vocalista da banda Walk The Moon, sai do armário como bissexual