Wentworth Miller está retornando a Law and Order: SVU nesta temporada, onde interpreta o promotor público assistente Isaiah Holmes, o primeiro promotor público LGBTQ+ na série. Este é seu primeiro papel gay desde que o ator de 48 anos declarou que não faria mais papeis heterossexuais.

Em uma entrevista para a Entertainment Weekly, Wentworth Miller falou sobre como é interpretar Holmes, como é empolgante em retornar ao SVU e que tipo de histórias ele quer contar agora que acabou de interpretar personagens heterossexuais.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Ele é um personagem com múltiplas camadas – um homem de integridade e inteligência, carregado de culpa, vergonha e, em sua mente tem muito para expiar”, disse o showrunner Warren Leight à EW sobre o que aconteceu na criação do personagem de Miller.

Leight disse que ao trabalhar no personagem, Miller disse que vê Holmes como alguém que “sabe quem ele é / o que ele representa, e não tem medo de defender aqueles que não podem defender a si mesmos.”

VEJA TAMBÉM:  Atores gays da série "Cheer" da Netflix são acusados de abuso de menores

Para Miller, interpretar um papel como Holmes não só parece muito mais verdadeiro, mas também mais emocionante. “Não preciso perder tempo atendendo à retidão e aos relacionamentos héteros”, disse ele. “Atuar é investigar para mim, mapear novos territórios, articular coisas que não consigo articular no meu dia a dia”.

Na entrevista, Wentworth Miller também falou sobre que tipo de histórias ele está animado para contar: “Eu gostaria de contar – assistir – mais histórias onde personagens gays são informados por suas lutas, mas não definidos”, disse ele, acrescentando: “Não ser sacrificado para que personagens heterossexuais possam desfrutar de algum tipo de epifania. Não acho que seja pedir muito”.

Wentworth Miller prosseguiu dizendo que “é tão importante que o público LGBT+ assistam histórias que não centralizam o sofrimento. Veja-nos capacitados, em posições de autoridade, movendo-nos pelo mundo com propósito, confiança e dignidade. Isso torna mais fácil imaginar que essas coisas também estão disponíveis para nós na vida real”.