O conceituado site do showbiz americano Entertainment Tonight acaba de eleger o vestido mais icônico e memorável da década. Se trata do vestido de carne usado por Lady Gaga no MTV Video Music Awards de 2010.

Assim como seus outros vestidos, ele foi arquivado, mas foi exibido em 2011 no Hall da Fama do Rock and Roll, depois de ser preservado pelos taxidermistas. 

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Gaga explicou após a cerimônia de premiação que o vestido era uma declaração sobre a necessidade de lutar pelo que se acredita, e destacou seu desagrado pela política de não perguntar e não contar das forças armadas dos EUA. 

Na época, a cantora foi a artista mais indicada no Video Music Awards de 2010 com um recorde de treze indicações, incluindo dois acenos para o Video of the Year (a primeira artista feminina a conseguir esse feito). Ela chegou com um vestido de Alexander McQueen e mudou para um número de Giorgio Armani antes de vestir sua terceira e última roupa da noite: vestido, chapéu, botas e bolsa de carne crua. 

Resultado de imagem para gaga meat dress
Gaga no VMA 2010 usando seu vestido icônico de carne.

Gaga usou o vestido de carne para aceitar seu troféu de Vídeo do Ano por ” Bad Romance “; ao aceitar o prêmio da apresentadora Cher , ela brincou: “Eu nunca pensei que estaria pedindo a Cher para segurar minha bolsa de carne”. A mother Monster ainda continuou a usar o vestido após a premiação por fotos da imprensa e uma entrevista no The Ellen DeGeneres Show.

VEJA TAMBÉM:  Lady Gaga e Bradley Cooper em dueto poderoso de "A Star Is Born"; vem assistir!

Na época, a apresentadora, que é vegana, questionou: “Agora, eu amo Lady Gaga, mas como alguém que também ama animais, foi realmente difícil para mim sentar ao lado de Lady Gaga enquanto ela usava essa roupa. Mas isso me fez perguntar a mim mesma, qual é a diferença entre a roupa dela e uma roupa feita de couro?”.

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).