A modelo brasileira Valentina Sampaio está ganhando espaço internacional e foi a primeira mulher trans a posar para a revista norte-americana Sports Illustrated, uma das que possui maior destaque do mundo dos esportes.

A Sports já é conhecida por sempre trazer mulheres em roupas de banho, mas veio recebendo críticas por perpetuar um padrão feminino. Desde então, a publicação tenta tornar as páginas mais diversas: em 2016 a modelo plus size Ashley Graham posou para a revista. Em 2019, Halima Aden estampou a publicação com burkini e hijab.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Valentina é conhecida no mundo da moda, tendo sido a primeira modelo trans contratada para modelar para a Victoria’s Secret.

Ao compartilhar a novidade nas redes sociais, Valentina escreveu: “Estou empolgada e honrada. A equipe da SI [Sports Illustrated] criou outra edição inovadora, reunindo um conjunto diversificado de mulheres bonitas e com múltiplos talentos, de maneira criativa e digna”.

VEJA TAMBÉM:  Homem mata mulher trans estrangulada em seu apartamento

“Nasci trans em uma distante e humilde vila de pescadores no norte do Brasil. O Brasil é um país bonito, mas também abriga o maior número de crimes violentos e assassinatos contra a comunidade trans no mundo – três vezes os [números] dos EUA.”

“Ser trans geralmente significa enfrentar corações e mentes fechados. Enfrentamos risadinhas, insultos, reações de medo e violações físicas apenas por existir. Nossas vivências de poder crescer em uma família amorosa e acolhedora, ter uma experiências positivas na escola ou encontrar um trabalho digno são inimaginavelmente limitadas e desafiadoras.”

View this post on Instagram

I am excited and honored to be part of the iconic Sports Illustrated Swimsuit Issue. The team at SI has created yet another groundbreaking issue by bringing together a diverse set of multitalented, beautiful women in a creative and dignified way. I was born trans in a remote, humble fishing village in northern Brazil. Brazil is a beautiful country, but it also hosts the highest number of violent crimes and murders against the trans community in the world—three times that of the U.S. Being trans usually means facing closed doors to peoples’ hearts and minds. We face snickers, insults, fearful reactions and physical violations just for existing. Our options for growing up in a loving and accepting family, having a fruitful experience at school or finding dignified work are unimaginably limited and challenging. 💜🧡💛❤️💚

A post shared by Valentina Sampaio (@valentts) on