Os filmes pornô gay estão causando mais emissões de carbono na atmosfera em pelo menos 121 países, sugere uma nova pesquisa. Como todos sabem, o gás carbônico (CO2 ou dióxido de carbono) é um dos gases de efeito estufa (GEE) que absorve uma parte dos raios do sol e os redistribuem em forma de radiação na atmosfera, aumentando a temperatura do planeta.

Qualquer coisa que signifique o aumento no consumo de energia tornará mais difícil o desafio histórico de evitar o caos climático. Enfrentar este desafio exige repensar o consumo de energia do mundo, 80% dos quais é hoje fornecida pelos combustíveis fósseis. Isso só pode ser considerado revisando o funcionamento de cada um dos nossos setores de atividade, atualmente altamente dependente de recursos não renováveis.

Uma grande parte da opinião pública ainda considera que as tecnologias digitais não tenham grande impacto no consumo de energia e nas mudanças climáticas. Os impactos ambientais diretos e indiretos ligados aos usos das tecnologias digitais são ambos insustentáveis e aumentando rapidamente.

Distribuição do consumo de energia por fonte para a produção (45%) e uso (55%) de equipamentos digitais 2017

A tecnologia digital é responsável por centenas de milhões de toneladas de todas as emissões de dióxido de carbono. E segundo este levantamento, assistir a filmes adultos é responsável por mais de 4% de todas essas emissões.

“Crise climática e aquecimento global: O uso insustentável das novas tecnologias on-line/streaming”, relatado pela pesquisa do Think Tank The Shift Project, afirma que a pornografia representa 27% de todos os vídeos vistos on-line.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Todas as “emissões de carbono” causadas pela pornografia pesam mais de 100 milhões de toneladas, sendo que o pornô gay masculino representa cerca de 21% dos vídeos vistos, de acordo com o Pornhub. Se considerar o pornô lésbico, uma categoria ainda mais acessada do site (principalmente por homens héteros), os números são ainda maiores.

Isto sugere aproximadamente um mínimo de 21 milhões de toneladas de emissões de CO2 por ano, mais do que as emissões de carbono emitidas de 121 países em todo o mundo, incluindo o Quênia, a Estônia e a Croácia.

A pornografia gay é responsável por emissões de carbono na atmosfera

Pra se ter ideia de comparação em outra categoria de streaming, os serviços de vídeo sob demanda, como Netflix ou Amazon Prime, geraram o mesmo volume de emissões de gases de efeito estufa do que o Chile.

Comprovado o efeito do consumo de pornô online no meio ambiente, agora os autores do estudo estão propondo uma forma de “sobriedade digital” que significaria reduzir o uso e o tamanho dos vídeos. No entanto, isso exigiria a implementação de certos regulamentos.

Eles escreveram: “Do ponto de vista da mudança climática e outros limites planetários, não é uma questão de ser a favor ou contra pornografia, telemedicina, Netflix ou e-mails: o desafio é evitar um consumo excessivo de um em detrimento de outro considerado menos essencial”.

“Isso faz com que seja uma escolha social, ser arbitrado coletivamente para evitar a imposição de restrições aos nossos usos contra nossa vontade e às nossas custas”. Eles também dizem: “No século 21, não escolher não é mais uma opção viável”.