Esse ano chegou na Netflix a comédia “Special“.
A série, que aborda a vida de um jovem gay com paralisia cerebral, ganhou milhares fãs pela forma simples, direta e divertida que aborda essas questões na vida de Ryan.

Na última semana, Ryan O´Connel, que não só é protagonista da série como também o criador e roteirista, participou de uma roda de conversa com estudantes da Universidade de Washington e comentou sobre suas lutas diárias como um homem gay com deficiência.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Eu saí com meu grupo de amigos gays e a enviei para todas as emissoras de televisão. Foram quatro anos recebendo não, não e não“, disse ele ao comentar sobre o difícil processo de tentar fazer a série sair do papel.

Ryan explicou que muitas emissoras de tv e produtoras tiveram dificuldades em entender uma trama envolvendo um homem gay e deficiente.
Me disseram ´não´ diversas vezes e durante tanto tempo que pensei em desistir“, contou.

VEJA TAMBÉM:  Netflix: The Dark Crystal tem pais gays e casal de lésbicas entre elfos

Felizmente, ele não desistiu e, ao apresentar o projeto para a Netflix, teve finalmente um retorno e respostas positivas.

Special” não só recebeu críticas ótimas apos o seu lançamento, tanto da crítica especializada quanto do público, com a trama também lhe rendeu quatro indicações ao Emmy Awards, incluindo “Melhor Curta-Metragem de Comédia” e “Melhor ator em Curta-Metragem de Comédia ou Série dramática”.

Durante a roda de conversa, Ryan também comentou sobre aceitação de pessoas com algum tipo de deficiência:

Estranhamente, ser gay é mais aceito e compreendido do que ser deficiente. Acho que a deficiência não é discutida. Há muitos papos e discussões sobre ser gay. Quase não se fala sobre deficiência“, apontou ele.

Mesmo assim, Ryan se mostra otimista e diz que as coisas estão caminhando para uma mudança. Ele também ressalta a importância de produções audiovisuais sobre o tema que acabam fazendo com que essas discussões sejam feitas.

VEJA TAMBÉM:  HBO produz documentário sobre perseguição a LGBTs na Chechênia

Pela primeira vez em 28 anos de vida, eu finalmente comecei a ser e a me sentir a vontade como sou. Não estou mais mentindo ou omitindo algo. Sempre fui gay e deficiente, e tenho orgulho de quem sou“, finaliza ele.