Quando Taylor Swift lançou o clipe de “You Need To Calm Down“, recheado de celebridades LGBTQ+ e uma música com uma mensagem poderosa contra a homofobia, muito se questionou se a cantora não estaria utilizando a comunidade LGBT para alavancar a venda de seus recentes singles e promover seu novo álbum.

O fato do clipe sair justamente durante o mês da visibilidade LGBTQ+ e também porque a cantora dificilmente se manifestava politicamente sobre esse assunto (ou qualquer outro) foram os motivos que levaram muitos a acreditar que tudo não passava do famigerado “pink money“.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Em uma recente entrevista á Rolling Stones, a cantora abriu o jogo sobre o assunto e deixou claro que não se importa com críticas que surgem após ela “fazer alguma coisa boa” e que descarta toda e qualquer “crítica infundada”:

Uma das perguntas mais frequentes tem sido: se você continuasse tentando fazer coisas boas, mas todos vissem essas coisas de maneira cínica e presumissem que elas foram feitas com segundas intenções, você mesmo assim continuaria fazendo? E a resposta é sim.“, disse Taylor.

VEJA TAMBÉM:  Taylor Swift critica LGBTfobia e machismo em seu novo single; ouça

A cantora ainda pontua que críticas são importantes para seu crescimento pessoal, desde que façam sentido:
Críticas construtivas são úteis para me desenvolver como pessoa. Críticas infundadas são simplesmente descartadas”, comentou.

Atualmente Taylor Swift está em turnê com seu novo álbum “Lover“, que tem quebrado recordes no mundo todo. A cantora já anunciou que fará um único show no Brasil em Julho de 2020. Os ingressos tem tudo pra serem concorridíssimos, já que, é a única data anunciada até agora em toda a América Latina.