Em entrevista ao programa Conexão Repórter, do SBT, a drag queen Pabllo Vittar conversou com o jornalista Roberto Cabrini sobre a infância, a fama, sobre ser uma pessoa LGBT, sua luta contra rótulos e barreiras, e também falou sobre o lado pessoal e sua família.

Um momento bastante honesto e chamou bastante atenção foi quando Cabrini perguntou sobre a relação da cantora com o pai, que soube-se então ter sido ausente.

“Eu nem cheguei a conhecer meu pai (…) Não sinto (falta). Eu acho que tudo na vida tem um motivo. Acho que a figura masculina e essa força masculina que a gente encontra em figuras que geralmente vem dos pais, eu recebi muito dos meus tios, dos meus amigos, do meu avô, pai da minha mãe, das pessoas que estavam comigo perto”, disse Pabllo.

Ao contrário do pai, a mãe de Pabllo sempre deu todo apoio e amor ao filho, como inclusive já pudemos conferir no programa Amor & Sexo da TV Globo quando Pabllo ainda era vocalista da banda da atração.

Outra revelação interessante foi quando o jornalista perguntou se Pabllo prefere ser tratada no masculino ou feminino: “Tanto faz, tanto faz… Eu acho que a gente está na vida pra ser múltiplo”, disse ela.

E continuou: “Sabe por quê? Porque existem essas pessoas que são caretas. Mas existem também as pessoas que são tipo ‘viva sua vida do jeito que você quiser viver’ e é pra essas pessoas que a gente trabalha. Para as outras a gente quer levar informação. Quer mostrar que a gente é capaz. Quer mostrar que a gente, LGBTs e gays, temos caráter, trabalhamos, temos sim os mesmos direitos… E a gente pode fazer o que a gente quiser.”

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).