Em uma esforço para aumentar a diversidade nos filmes de Hollywood, o Oscar acaba de anunciar novos “requisitos de diversidade” para filmes que desejam ser considerados para concorrer na premiação em determinadas categorias. As regras devem valer a partir de 2024.

A novidade foi muito celebrada entre artistas e o público que clamam por maior diversidade étnica, sexual e de gênero nas produções hollywoodianas desde protestos que rolaram em edições anteriores, que costumam sempre favorecer homens brancos cisgêneros. As diretrizes fazem exigências de diversidade às produções para que considerem a questão e a incluam tanto na frente quanto por trás das câmeras.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Entretanto, dentre os descontentes, ninguém parece mais chateado com isso do que a atriz Kirstie Alley, que curiosamente nunca sequer concorreu a um Oscar. Conheça todas detalhadamente aqui.

Mas vamos lá. Assim que soube dos novos critérios, Kirstie Alley usou o Twitter para expressar sua indignação com a nova medida: “Isso é uma vergonha para os artistas em todos os lugares. Você pode imaginar dizer a Picasso o que deve estar em suas pinturas? Vocês perderam a cabeça. Controle aos artistas, controle ao pensamento individual … OSCAR ORWELL. ”

VEJA TAMBÉM:  Longa sobre mulher trans, A Fantastic Woman, leva Oscar 2018

Depois de excluir o tweet, Kirstie Alley postou um segundo que dizia: “Estou na indústria do cinema há 40 anos. A Academia celebra a liberdade da arte expressa por meio de filmes. As novas REGRAS para se qualificar para o prêmio de Melhor Filme são ditatoriais, anti-arte!Hollywood você está balançando tão à esquerda!”, desabafou ela.

Filme “Moonlight” concorreu ao Oscar de Melhor Filme após pressão por mais diversidade na premiação (Foto: Divulgação)
Filme “Moonlight” concorreu ao Oscar de Melhor Filme após pressão por mais diversidade na premiação (Foto: Divulgação)

Quando a renomada diretora Ava Duvernay respondeu ao segundo tweet de Alley com um GIF de um homem negro batendo a porta na cara de um homem branco, Kirstie Alley respondeu: “Peço que você explore meu registro de diversidade e inclusão em tudo que eu produzi e em todo meu vida. Não sou perfeito, mas luto pelos direitos humanos e civis há 50 anos. Eu apenas não concordo [com] a obrigatoriedade, impossível de ‘policiar’ cotas como um pré-requisito [para] uma ‘melhor’ imagem. ”

Algumas horas depois, provavelmente depois que se acalmou, Kirstie Alley tweetou novamente. Desta vez, ela suavizou o tom e disse que, na verdade, ela acha a diversidade no cinema incrível e que as pessoas precisam ser mais inclusivas e tolerantes ou outras.

VEJA TAMBÉM:  Billy Porter responde aos críticos de seu vestido:"me respeite como eu respeito você"

“Eu apaguei meu primeiro tweet sobre as novas regras para o melhor filme no Oscar porque acho que foi uma analogia pobre e deturpei meu ponto de vista”, escreveu ela.

E continuou: “Estou 100 por cento atrás da inclusão e tolerância à diversidade. Eu só me oponho aos mandamentos arbitrários relativos à contratação de seres humanos em qualquer negócio que seja.”

E você, o que acha das novas regras de diversidade do Oscar? Comenta aqui embaixo!

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).