Oprah Winfrey disse que está feliz de “ir para o inferno” por apoiar os direitos LGBT+ depois que um membro de sua plateia a chamou para entrevistar Ellen Degeneres. O episódio do Oprah Show, que foi ao ar em 1997, apresentou o público perguntando a Winfrey sobre sua decisão de entrevistar DeGeneres sobre se assumir.

DeGeneres revelou a Winfrey como ela lidou com a revelação e como sua família via sua orientação sexual como um perigo. Em um episódio subsequente, transmitido após a entrevista de Ellen DeGeneres, Winfrey respondeu a perguntas do público sobre por que ela decidiu dar a DeGeneres uma plataforma para falar sobre sua experiência como parte da comunidade LGBT+.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Um membro da plateia disse que “viu na Bíblia” que “a homossexualidade é errada”. Ela sentiu que, se Winfrey “se  considera cristã” e apoia os direitos LGBT+, então temos aí um “caso de pecado contra Cristo”. Mas Oprah Winfrey rebateu a religiosa. Ela disse que tinha uma “visão diferente da visão cristã” e que não “esperava mudar suas crenças”.

VEJA TAMBÉM:  Polícia prende suspeito de estuprar jovem gay no Rio de Janeiro

“O Deus a quem sirvo não se importa se você é alto ou baixo, se nasceu negro, asiático ou gay”, disse Winfrey. Ela passou a explicar como estava atrasada para o programa porque, quando ela estava na sala de maquiagem, ela estava discutindo com alguém que disse “todos os gays estão indo para o inferno” e agora Winfrey também.

Oprah Winfrey faz religiosa chorar com resposta

“Assumo total responsabilidade por minha ida para o inferno ou para o céu”, declarou Oprah Winfrey. “Eu sinto que todos que estão preocupados comigo agora indo para o inferno porque eu estou fazendo o show de Ellen DeGeneres… deveriam pegar essa energia e tentar criar um pequeno paraíso aqui na terra para todos.”

Ela explicou que acreditava que Deus criou Ellen, e se ela for gay, “Eu acredito que Deus a criou gay.” A religiosa começa a chorar e diz que Oprah Winfrey não poderia “ficar de pé” no programa e “na frente de toda a sociedade americana” dizer que ela apoia as pessoas LGBT+. “Eu apoio seu direito de ser quem você pensa que é”, finalizou disse Winfrey.