Divulgando seu novo single Seu Crime, Pabllo Vittar vem cumprindo agenda nas rádios. Em entrevista a Jovem Pan, a Drag Queen cantora contou que apesar de todo esse tempo na mídia, ainda recebe bastante reações negativas. Segundo Pabllo: “O Brasil não está preparado para artistas LGBTQs que dão a cara à tapa e que falem a verdade. Você pode ser gay, você pode cantar, desde que seja heteronormativo e não fale as coisas que eu falo. Ninguém quer ouvir essas coisas. Ninguém quer ouvir que a travesti morreu, que o gay foi assassinado, ninguém quer saber disso”, enfatizou.

A heteronormatividade à qual Pabllo se refere é o conceito que se refere ao enquadramento da pessoa no padrão compulsório da heterossexualidade. Isso inclui não apenas a orientação sexual, mas também a manifestação da identidade de gênero – como se comportar, como se vestir, o que falar, o que fazer, etc. Para a Drag, as reações negativas que a mesma recebe seriam diferente se ela fosse padrãozinho; uma drag queen cantora é afronte demais a sociedade.

 “Esse ódio só me dá um input para levar meu trabalho cada vez mais longe, para lugares que precisam da minha mensagem”, conta a cantora, que de fato está interessada em expandir seu público e deve lançar um EP com parcerias internacionais em breve.