Divulgando seu novo single Seu Crime, Pabllo Vittar vem cumprindo agenda nas rádios. Em entrevista a Jovem Pan, a Drag Queen cantora contou que apesar de todo esse tempo na mídia, ainda recebe bastante reações negativas. Segundo Pabllo: “O Brasil não está preparado para artistas LGBTQs que dão a cara à tapa e que falem a verdade. Você pode ser gay, você pode cantar, desde que seja heteronormativo e não fale as coisas que eu falo. Ninguém quer ouvir essas coisas. Ninguém quer ouvir que a travesti morreu, que o gay foi assassinado, ninguém quer saber disso”, enfatizou.

A heteronormatividade à qual Pabllo se refere é o conceito que se refere ao enquadramento da pessoa no padrão compulsório da heterossexualidade. Isso inclui não apenas a orientação sexual, mas também a manifestação da identidade de gênero – como se comportar, como se vestir, o que falar, o que fazer, etc. Para a Drag, as reações negativas que a mesma recebe seriam diferente se ela fosse padrãozinho; uma drag queen cantora é afronte demais a sociedade.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:
VEJA TAMBÉM:  Lutador mexicano gay que subia no ringue como drag queen vai ganhar filme

 “Esse ódio só me dá um input para levar meu trabalho cada vez mais longe, para lugares que precisam da minha mensagem”, conta a cantora, que de fato está interessada em expandir seu público e deve lançar um EP com parcerias internacionais em breve.