Normalmente dando um close certo atrás do outro no que diz respeito a representatividade e minorias, há quem diga que a Netflix pisou na bola em seu lançamento mais recente.

A nova série veiculada na plataforma, Insatiable, que estreou no último dia 10 de agosto, foi alvo de muitas críticas na Internet por muitos que consideraram que a série é homofeobica e depreciativa em relação relação às pessoas gordas e transgênero.

A série conta a história de Patty (Debby Ryan) uma adolescente obesa que é vítima de bullying e se torna magra e pensa então em se vingar de todos que faziam bullying com ela.

Ao participar de concurso de beleza e fazer pouco dos outros, os críticos dizem que a série perpetua a apologia à magreza e objetificação do corpo feminino.

Os comentários negativos surgiram desde o lançamento do trailer e chegou a ser lançada uma petição online pedindo pra que a série seja cancelada.

Outra crítica foi pela maneira como a série trata a homossexualidade, tirando sarro do desejo reprimido da melhor amiga de Patty por ela.

Num dos diálogos, uma jovem que divulga inadvertidamente uma foto sua em que aparece nua explica que temia, a princípio, que as pessoas a considerassem “uma piranha”. Mas “agora pensam que sou lésbica. É muito pior”, diz. Em outra cena, Patty e uma mulher transgênero comparam os gordos com os trans e dizem que ambos desejam mudar de corpo.

A vice-presidente de conteúdos originais da Netflix, Cindy Holland, disse que a série “foi concebida como uma sátira” e deve ser vista deste modo. Já Lauren Gussis, a criadora de Insatiable, disse que se baseou em sua própria biografia.

“A série é uma lição que mostra até que ponto pode ser destrutivo acreditar que a aparência é mais importante que a personalidade. Por favor, deem uma chance a esta série”, pediu a autora após os protestos.

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).