Neymar Jr. foi denunciado ao Ministério Público pelo crime do homofobia pelo ativista Agripino Magalhães que compareceu ao 15º DP de São Paulo na última quarta-feira (10) a fim de prestar depoimento sobre o caso. Segundo o portal Notícias da TV, Magalhães afirmou que “pessoas ligadas ao jogador o ameaçaram de morte e lhe ofereceram suborno para desistir do caso, mas não aceitou”.

O Notícias da TV afirma que obteve cópia do Termo de Declarações, assinado pelo delegado Igor Vilhora Noya, onde constam os principais tópicos citados por Agripino em seu depoimento. O ativista fala sobre ameaças de morte, roubo de seu aparelho celular, mensagens de ódio nas redes sociais, e também uma tentativa de suborno de R$ 350 mil para que ele retirasse a denúncia.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Alega o declarante que recebeu telefonema de um indivíduo que se identificou como sendo ‘Laranjo’, mandando que apagasse todas as postagens sobre o áudio e que desistisse da representação contra o Neymar, pois era pessoa influente e conhecido da promotora de Justiça da cidade de Tupã, e chegou a lhe oferecer o valor de R$ 350 mil, o que o declarante não aceitou”, diz o documento registrado na delegacia. A reportagem do portal procurou a assessoria de Neymar Jr. para comentar as declarações do ativista em seu depoimento, mas nenhuma resposta foi dada.

VEJA TAMBÉM:  Deputado homofóbico e “anti-máscaras” testa positivo para coronavírus

Neymar se desentendeu com ex de sua mãe

Após uma briga de Tiago Ramos com a sua então namorada, mãe de Neymar, em junho de 2020, No dia seguinte, Neymar teria se reunido com amigos no Twitch, site de transmissão de jogos online, onde conta sobre a briga e diz “viadinho” e “aquele dá o cu do caralho”. Um dos amigos, não foi identificado, sugeriu de fazer “justiça” com as próprias mãos: “Vamos matar, enfiar um cabo de vassoura no cu dele”.

O ativista que hoje sofre assédio e ameaças denunciou o corrido ao Ministério Público pedindo sua prisão preventiva, bem como a apreensão de seu passaporte e uma indenização de R$ 2 milhões, que seria doada a ONGs que atendem o público LGBTQ+. Na época, o Ministério Público declinou todos os pedidos e arquivou o caso.