Nesta semana, Ney Matogrosso deu uma entrevista para a revista Marie Claire e comentou sobre vários assuntos em torno da sua bem sucedida carreira. Ícone da música brasileira e bissexual assumido, o cantor falou sobre como, indiretamente, acabou se tornando um “porta estande” de causas sociais.

“Já sou o próprio estandarte! E não só disso. A situação dos negros é dramática no nosso país, a dos índios é assombrosa. Se eu assume isso [ser bissexual] naquela época, seria muito conveniente para o governo. Iam dizer: ele é gay e ponto. E eu sou mais, incomodo mais”, declarou Ney.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Ainda no bate papo, Ney comentou sua própria teoria sobre o surgimento da Aids no mundo que, principalmente nas décadas de 80 e 90, quando não existia tratamento, matou milhões de pessoas em todo o mundo.

“A Aids. Não sei onde estaríamos hoje se não houvesse a doença. Nós vínhamos numa evolução estonteante! E ouso dizer que essa doença pode ter sido manipulada pelos americanos. Porque, nessa época, os gays dos Estados Unidos já estavam elegendo governadores, o que era uma ameaça paro o status quo da América. Quem fez uma bomba atômica e jogou sobre duas cidades matando milhões de pessoas não vai criar um vírus? Só que eles achavam que a Aids mata mais rápido do que matou, então deixou de ser conveniente”, afirmou Ney.

VEJA TAMBÉM:  Em vídeo emocionante, gays contam como sobreviveram ao auge do HIV nos anos 80