Embora a Arábia Saudita tenha um histórico de censura e discriminação quando se trata de temática LGBT+, por incrível que pareça, existe muito conteúdo LGBT+ – como Queer Eye, Sex Education e Orange Is the New Black – na Netflix do país.

Mas como foi que eles conseguiram essa permissão em um local ainda tão hostil a LGBTs e que costuma censurar todo conteúdo que aborde diversidade? Foi o que explicou uma matéria da OUT Magazine sobre o assunto. Sabe-se que alguns títulos LGBT+ foram realmente banidos da plataforma, mas vários conseguiram ficar.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

A resposta a esta pergunta veio em uma entrevista à CNN do CEO da Netflix, Reed Hastings, que revelou que, pra manter alguns títulos de temática LGBT+ no catálogo do país conservador do Oriente Médio, a plataforma teve que entrar em um acordo e fazer concessões. E tudo isso aconteceu por conta de uma confusão com a série política opinativa Patriot Act, escrita e apresentada por Hasan Minhaj, sempre comentando fatos e notícias da atualidade.

VEJA TAMBÉM:  POSE! Elenco compartilha novas fotos da 3ª temporada, confira
CEO da Netflix, Reed Hastings (Foto: Reprodução / Canaltech)
CEO da Netflix, Reed Hastings (Foto: Reprodução / Canaltech)

Em janeiro do ano passado, a Netflix tirou do ar – só na Arábia Saudita – um episódio da primeira temporada da série política de Hasan Minhaj por ele questionar autoridades sauditas sobre o assassinato do escritor e jornalista Jamal Khashoggi.

O governo saudita ordenou que a Netflix cancelasse o episódio por supostamente “violar as leis de crimes cibernéticos do país”. A Netflix acabou obedecendo e tirando o episódio do ar (embora ainda possa ser assistido na Arábia Saudita no canal do programa no YouTube), efetivamente censurando o Patriot Act. Mas em contra-partida por acatar a censura sem reclamar, solicitou ao governo saudita permissão para exibir alguns programas com temática LGBTQ+ no catálogo do país.

“Foi uma decisão muito difícil”, disse Hastings à CNN sobre as razões por trás da censura ao Patriot Act. “Com isso, a Netflix pôde manter no ar no país outros conteúdos, como Queer Eye, Sex Education e Orange Is the New Black. É um compromisso preocupante. Não é algo fácil, mas no geral, achamos que foi uma boa estratégia”.

VEJA TAMBÉM:  “Special”: ator fala que na segunda temporada terá "muito mais sexo gay"

LGBT+ na Arábia Saudita

A Arábia Saudita tem histórico complicado quando se trata dos direitos da comunidade LGBTQ+. As leis do país – baseadas principalmente em uma religião arcaica – são freqüentemente usadas para perseguir os cidadãos LGBTs do país do Oriente Médio. E a mídia, quase sempre que tenta promover a pauta LGBT é censurada.

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).