Uma pesquisa realizada pela empresa norte-americana de tecnologia, Surecall, analisou os hábitos atuais das pessoas em relação aos smartphones.

Já não é novidade que, em casos extremos, existe até gente que desenvolve dependência e abstinência do aparelho se não checar suas notificações a cada minuto.

Mesmo assim, o resultado do estudo chegou a assustar os pesquisadores, que já esperavam algum resultado preocupante apenas por se observar o cotidiano.

Segundo observado no estudo, o americano médio usa o celular em média até 74 vezes por dia e muito além dos intervalos de trabalho ou colégio, que seriam as horas indicadas pra se ver notificações e responder mensagens.

Outra constatação foi a de que 69% das pessoas tem o hábito de usar o telefone enquanto está no banheiro.



Assista também:



Já 22% chegam a checar suas notificações no chuveiro. Tá feliz, tecnologia? Quem mandou inventarem celular a prova d’água, não é mesmo? Mas sério, chocante imaginar alguém parando de lavar as suas partes para dar like em uma foto recém postada ou responder um Whatsapp que acabou de chegar, já pensou?

Entre as faixas etárias, pessoas entre 18 e 34 anos são as que tem o maior grau de dependência com quase o dobro conferidas no celular do que uma pessoa entre 35 e 51 anos, como era de se esperar até por uma questão geracional.

Agora, o resultado mais surpreendente foi que 10% das pessoas já chegou a checar seu celular durante o sexo. Tá certo isso? Pra que, gente? Talvez procurar outro boy no Grindr, enquanto você já percebeu que o que está em cima de você não valeu tanto a pena? Brinks, gente.

O que você acharia do seu parceiro no meio do ato simplesmente pegar o celular? É pra levar um block na vida, não? Já passou por isso? Comenta aqui embaixo!

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).