O ator Kit Harington falou sobre sua educação “gênero fluido”, revelando que pediu a sua mãe um Action Man na infância, mas ganhou uma boneca. E não teve qualquer problema com isso, se divertindo tanto quanto com o brinquedo.

A estrela de Game of Thrones – que vale lembrar, mesmo com uma criação livre de estereótipos masculinos tóxicos, é heterossexual cisgênero – revelou em uma entrevista ao Telegraph que sua mãe, a dramaturga Deborah Jane Catesby, fazia questão de não se limitar a papéis estereotipados de gênero ao criar ele e seu irmão John.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Kit Harington conta como “idolatrava” sua mãe enquanto crescia e como ela apresentou a ele e seu irmão as questões dos limites de gênero desde muito jovens.

O ator de 33 anos também falou sobre suas opiniões sobre masculinidade tóxica, revelando que não quer voltar a interpretar personagens estereotipadamente “heróicos”, como era o caso de seu herói de Game of Thrones, Jon Snow.

VEJA TAMBÉM:  Nova York terá opção “terceiro gênero” em certidões de nascimento
Kit Harington era Jon Snow em Game Of Thrones (Foto: Divulgação)
Kit Harington era Jon Snow em Game Of Thrones (Foto: Divulgação)

“Sinto que emocionalmente os homens têm problemas, bloqueios e isso veio da Segunda Guerra Mundial, foi passado de avô para pai e assim em diante”, disse ele.

“Não falamos sobre como nos sentimos porque mostra fraqueza, porque não é masculino. Retratamos um homem silencioso, heróico… Sinto que daqui para frente esse é um papel que não quero mais desempenhar. Não é um papel masculino que o mundo precisa ver muito mais”, desabafou Kit Harington.

Harington mais recentemente estrelou Criminal da Netflix e logo também será visto no filme da Marvel, Eternals.

Em 2018, o Global Early Adolescent Study analisou como o gênero é aprendido e reforçado entre os primeiros adolescentes em 15 países.

De acordo com o estudo divulgado pela CNN, o resultado mostra que estereótipos de gênero culturalmente impostos levam a problemas de saúde física e mental em crianças entre 10 e 14 anos de idade. As meninas foram consideradas mais propensas a serem expostas à violência física e mental, com os meninos sendo posteriormente expostos a traços tóxicos, abuso de substâncias e até suicídio.

VEJA TAMBÉM:  Marvel apresenta personagem de gênero fluído em nova HQ
Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).