Desde que o jogo moderno existe, jogadores LGBTQ+ jogam. Mas, como qualquer jogador pode dizer, a representação LGBTQ+ é péssima na indústria e a homofobia é cada vez maior. Um novo estudo da OnlineRoulette.org relata que 88% dos jogadores abertamente LGBTQ+ são assediados, entre muitas outras estatísticas perturbadoras.

A organização entrevistou 788 jogadores com idades entre 18 e 70. Cerca de 10% dos jogadores se identificam como LGBTQ+ e 45% dos entrevistados disseram que realmente descobriram sua identidade sexual através dos jogos. Você acha que a comunidade de games seria um lugar mais acolhedor? Não conte com isso.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Mas não são apenas as pessoas LGBTQ+ que são submetidas ao bullying. 65% de todos os jogadores sofreram “assédio severo” ao jogar online. Mas 73% dos jogadores LGBTQ+ relatam sofrer assédio com base em sua orientação sexual.

VEJA TAMBÉM:  Mulher trans ateia fogo em si própria pra protestar contra transfobia durante o coronavírus

Apenas 37% dos jogadores LGBTQ+ afirmam que sua identidade no jogo reflete sua identidade. Aqueles que se identificam abertamente como LGBTQ+ têm 21% mais chances de serem assediados.

Então, como esses jogadores evitam o assédio? 50% disseram que escondem sua identidade sexual, 44% neutralizam seus nomes de tela, 43% bloqueiam ou silenciam certos jogadores e 41% saem de seu caminho para evitar jogos específicos e comunidades de jogos. 36% dos jogadores LGBTQ + disseram que mentem sobre seu gênero.

1 em cada 4 entrevistados disseram ter sido ameaçados de agressão sexual, especificamente mulheres e pessoas não binárias que receberam grunhidos desse tipo de assédio em uma taxa 15% maior do que os homens. Mulheres LGBTQ+ têm duas vezes mais chances de serem assediadas por causa de suas habilidades no jogo do que os homens.

VEJA TAMBÉM:  Suspeito de matar ativista LGBT em Pernambuco é preso

Do outro lado da moeda, as comunidades que mais apoiam os jogadores LGBTQ+ incluem Animal Crossing (49%), Call of Duty (27%), Minecraft (26%), Pokémon (25%) e The Sims (24%).

O estudo aponta que, se um jogo contém uma história queer, 81% dos jogadores LGBTQ+ são mais propensos a comprá-lo. Isso parece uma batalha difícil, considerando que alguns jogos removeram as histórias completamente após receberem reações.

Games LGBTQ+ proeminentes também ganham uma fração dos ganhos de seus colegas heterossexuais, cisgêneros. James Eubanks foi o que mais ganhou em 2020, arrecadando $363.450 no ano passado, enquanto os gamers LGBTQ+ mais populares, Autumn Burchett e Dominuqe McLean, ganharam entre $40 – $ 50k.

OnlineRoulette.org continua otimista quanto ao futuro dos jogadores LGBTQ+ nos jogos, mas está claro que temos um longo caminho pela frente para chegar lá.