Não é de hoje que Sílvio Santos vem dando um close errado atrás do outro em seu programa, mostrando que infelizmente, ser um grande apresentador não garante que sua cabeça não tenha ficado presa no século passado.


Assista também:


Não à toa, Sílvio levou aquele merecidíssimo “Cala-te” de Fernanda Lima algum tempo atrás, quando o apresentador criticou seu peso em um programa.

Na última exibição do Programa Sílvio Santos, no domingo 27, ele chegou a ser acusado de homofóbico por internautas e telespectadores que assistiram – muito chocados – a participação de Karina Bachi e Cristiana Oliveira no quadro “Jogo das Três Pistas”.

No tradicional jogo, Sílvio deu as pistas “David Brazil”, “Gominho” e “Pabllo Vittar”. Karina e Cristiana se esforçaram mas não conseguiram adivinhar o enigma. Eis que foi a vez da plateia tentar adivinhar qual seria a palavra no envelope de Sílvio relativa às três pistas.

Em ordem, pessoas da plateia exclamavam: “Homofóbico”, “homossexual”, “travesti”, “gay”, “maquiador”, “artistas”, “promoter”, “transformista”, “apresentador (novamente)”, “drag queen”, “LGBT”, “humorista”, “transexual”, “digital influencer”, “cantor”, “homem”, “afeminado”, “jornalista”, “youtuber”, “parada gay”, “Afrodite” e “nordestinos”, até que uma participante enfim acertou a lamentável resposta: “Bicha”.

“Acertou! Bicha! Ganhou R$ 100! David Brazil, Gominho, Pabllo Vittar, aqui tá ‘bichas’. Ela falou ‘bicha’, acertou, claro”, comemorou Silvio.

Redes sociais foram inundadas por críticas à postura de Sílvio Santos. Ainda que bicha seja uma palavra ressignificada pela comunidade LGBT e usada muitas vezes de maneira positiva, fica clara a intenção de se usar o nome como chacota no Programa Sílvio Santos, algo que lá nos anos 80, quando Sílvio ainda estava em sintonia com a sociedade, talvez fizesse algum sentido e fosse engraçado simplesmente por falar de um homossexual.

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).