Foi revelado que o Grindr – famoso aplicativo de encontros gays e que tem quase 4 milhões de usuários ativos diariamente em média (ativos que usam o aplicativo manas, não estamos falando de preferência na cama aqui!) – pode compartilhar com outras empresas dados sigilosos de seus usuários, como por exemplo, quais são soropositivos ou não.

De acordo com o BuzzFeedNews, a informação sobre HIV é enviada junto com outros dados como localização GPS, ID do smartphone, e-mail e até preferências pessoais e sexuais. Isso se dá porque, quando o usuário preenche seu perfil no aplicativo, uma das questões que ele pode responder é justamente seu status soropositivo ou soronegativo.


Veja também:


Com a posse destes dados na mão, o Grindr tem o poder de compartilhar os dados com empresas interessadas para que elas cheguem mais facilmente nestas pessoas de acordo com seus próprios interesses. Acontece que muitos destes dados são privados e as pessoas não gostariam que fossem compartilhados ou revelados a qualquer um, não é mesmo?

O ativista LGBT americano James Krellenstein lembrou que o dado é preocupante: “O Grindr é uma das únicas redes sociais onde muitos se sentem a vontade ou até a necessidade de compartilharem seu status de HIV. Dividir este tipo de dado com terceiros sem o consentimento da pessoa é extremamente anti-ético e não é uma atitude que se espera de uma empresa que se diz comprometida com a comunidade LGBT.”

Procurado pelo BuzzFeed, o Grindr afirmou que não comercializa dados privados de seus usuários para terceiros ou outras empresas, mas apenas usa seu banco de dados e informações para tornar o aplicativo cada vez mais útil aos seus usuários.

“Por mais que o Grindr tenha acordos com outras empresas, não há nada que a gente faça com este tipo de informação.”, garantiu Cooper Quintin, um funcionário e programador do Grindr questionado pela reportagem.

O BuzzFeed lembrou entretanto que o problema não é apenas o Grindr poder vender esse tipo de informação privada, mas deixá-las armazenadas e disponíveis em algum lugar que possa ser acessado por um funcionário da empresa ou até um terceiro com outros interesses.

Vale lembrar que este tipo de atitude não é exclusividade do Grindr. Praticamente qualquer rede social ou aplicativo hoje em dia armazena dados e preferências de seus usuários como navegação, busca, dados e informações pessoais e o que quer mais que a gente deixe ali disponível para seus próprios interesses, ou muitas vezes, interesses de terceiros e que possam se beneficiar com isso.


Veja também:

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).