A nova animação da Mulher-Maravilha, Mulher-Maravilha: Linhagem de Sangue, mostrou que a melhor amiga da heroína, Etta Candy, é LGBT+, com o final da obra a personagem vivendo um poliamor com outras duas mulheres.

O primeiro indício da orientação sexual de Etta aparece logo no início do desenho, com Steve Trevor, que estava preso, comentando com uma guarda: “Já pensou em abrir um resort? Porque eu tenho uma amiga chamada Etta que daria tudo por uma ilha cheia de belas fisiculturistas”.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

A outra indicação de que Etta é LGBT+ vem ainda menos sutil durante o caminho para Themyscira, em que a personagem torce para encontrar alguma amazona que goste “de uma mulher com curvas”, em que Diana responde: “se sobrevivermos, posso te apresentar a algumas”.

Já no final do filme podemos ver que o desejo de Etta se realizou, já que ela está abraçada e bem feliz com duas amazonas, indicando que ela está vivendo um poliamor. Confira o momento:

Etta Candy é uma das personagens originais dos quadrinhos da Mulher-Maravilha, aparecendo pela primeira vez em 1942 e se tornando uma figura constante na Era de Ouro da heroína – período que vai de 1938 a 1956. Etta é descrita como alguém corajosa e animada, além de historicamente quebrar padrões de beleza, já que foi desenhada como uma mulher gorda que não tinha problema com isso. Na animação, além da sexualidade, Etta também foi desenhada como uma mulher negra.

Mulher-Maravilha: Linhagem de Sangue é o primeiro solo da heroína e uma das novas produções da DC, foi lançado em 2019 e conta a história de origem da personagem, com Steve caindo em Themyscira e Diana percebendo que precisa salvar o “mundo dos homens”. Ao que tudo indica, esse foi apenas a primeira animação solo da Mulher-Maravilha, com o final aberto para sequências.