O filme Todo Mundo em Pânico (Scary Movie) foi lançado no verão de 2000 e se tornou um sucesso instantâneo com o público, arrecadando mais de US $ 150 milhões de bilheteria e gerando quatro continuações nos cinemas.

Refletindo sobre o filme 20 anos depois do lançamento, os roteiristas Keenan Ivory Wayans, Marlon Wayans, Shawn Wayans e o produtor Bo Zenga comentaram sobre as persistentes piadas com gays no filme – e reconheceram que provavelmente elas não fariam parte do roteiro nos dias de hoje.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Zenga disse à Variety: “Tem muita coisa que eu não acho que entraria em um filme atual. Piadas homofóbicas em filmes de terror seriam difíceis de ganharem aprovação hoje.”

Ele continuou: “O que eu aprendi fazendo comédia stand-up é que a opinião das pessoas e o gosto das pessoas não são ditados pela natureza politicamente correta do clima político-social”.

“Vivemos na América e a liberdade de expressão é a Primeira Emenda. Com a liberdade de expressão, vem a liberdade de criatividade. Eu acho que qualquer um pode fazer uma piada sobre qualquer coisa. Isso é mais sobre quem está contando a piada e qual é a sua intenção. Sua intenção é humilhar ou fazer as pessoas rirem? Aqui nossa intenção sempre foi fazer as pessoas rirem”, explicou.

VEJA TAMBÉM:  Mãe lamenta morte de filho por homofobia em Salvador: "Ele que me dava autoestima"
Trecho do filme Todo Mundo em Pânico (Foto: Reprodução)
Trecho do filme Todo Mundo em Pânico (Foto: Reprodução)

Embora a franquia Todo Mundo em Pânico fosse um grande sucesso na época, ela enfrentou críticas dos telespectadores nos últimos anos por causa de piadas consideradas sexistas e homofóbicas e que constantemente zombavam de personagens gays e femininos de maneira degradante.

Ray, interpretado por Shawn Wayans, tem sido questionado nos últimos anos sobre muitas passagens da obra. No primeiro filme ele de maneiras que levam os outros a suspeitar que ele pudesse ser gay como chacota – insistindo o tempo todo que ele na verdade fosse heterossexual.

Em uma cena de Todo Mundo em Pânico, Ray pergunta a outro personagem se sua camiseta o faz parecer gay. Em outra, ele incentiva sua namorada a se vestir com roupas de homem durante o sexo.

A piada, essencialmente, era que Ray era gay, mas não sabia disso. Para piorar a situação, é revelado no final do filme que Ray é na verdade um assassino e possivelmente um predador sexual.

VEJA TAMBÉM:  Estudantes zombam de jogador de basquete com provocações homofóbicas

Em uma sequência do filme, ele ainda agride sexualmente um boneco palhaço do mal, jogando gratuitamente estereótipos prejudiciais sobre pessoas LGBTs.

Vale lembrar que nem só Todo Mundo em Pânico tem produtores e roteiristas que se atualizaram em relação aos tempos atuais. Posicionamento semelhante já foi observado pelos roteiristas da série Friends, sucesso dos anos 90, recentemente.

Van Amorim
Autora / Escritora / Roteirista / Compositora / Soteropolitana / sob contrato internacional com a Chiado. Uma editora de origem portuguesa, sediada na cidade de Lisboa. Com 27 anos, 2 livros publicados e quase 500 mil leituras online, Van já ficou 2 vezes em 1° lugar nos Estados Unidos e no Brasil com as obras: “O Eclipse Vol. 1” e “O Código da Sabedoria.” Graduanda Letras Vernáculas na Universidade Salvador e Colunista Policial do Salvador Notícias.