Já faz algum tempo que a Marvel vem colocando em seus quadrinhos a temática LGBT. Começou lá em 2014 quando o Homem de Gelo, Bobby Drake, saiu do armário, e o personagem se tornou o principal meio da editora discutir assuntos LGBTs em suas publicações. “Há um milhão de diferentes perspectivas LGBTQ+ e estamos apenas arranhando a superfície”, declarou Sina Grace, escritora da série, ao The Advocate.

Na quarta edição da atual minissérie do Homem de Gelo, lançada em dezembro de 2018, a Marvel apresentou a mais nova integrante do seu  universo de super-heróis, a Shade, uma mutante Drag Queen.

A Drag Queen Shade, a qual tem poder de teletransportar através de seu leque.

A Drag Queen entrou na trama durante Primeira Parada do Orgulho Mutante da Marvel, fazendo alusão com a Parada do Orgulho LGBT, justamente por terem muita coisa em comum, por exemplo, a opressão por serem quem são.

Rascunhos do design original de Shade que foram passadas para o desenhista
Nathan Stockman, responsável pela versão final da Drag Queen.

A personagem Shade é uma mutante que possui o poder de teletransportar, isto é, de criar pequenos portais no vácuo pelos quais ela pode se transportar, no caso da Drag Queen esses portais são criados em seu leque.

“Meu objetivo com esta nova série do Homem de Gelo é que todos, eu, os leitores, e os personagens envolvidos na história em quadrinhos, se divirtam”, declara Grace, e a escritora também afirmou que a Drag Queen aparecerá em outras edições dos quadrinhos.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:


Maikon Stefan
Amante do teatro, tv e de Harry Potter, formado em Técnico em Administração e Bacharel em Ciência e Tecnologia (UNIFESP-SJC). Atualmente cursa Engenharia de Materiais (UNIFESP-SJC). Também foi Presidente da Empresa Júnior (Ectm Jr). "Me chama pra causar que eu vou".