A Rede Globo mais uma vez colocará em uma de suas produções a representatividade LGBT+. A nova minissérie – ‘Se Eu Fechar os Olhos Agora’ –  terá em sua trama um romance lésbico. O romance será vivido pelas personagens de Mariana Ximenes e Débora Falababella.

A trama que estreará no próximo dia 15 de abril, é inspirada na obra homônima do jornalista e escritor Edney Silvestre. A história é ambientada em uma sociedade conservadora dos anos 60. O relacionamento de Isabel (Débora Falabella) e Adalgisa (Mariana Ximenes) começará às escondidas, quando elas estarão infelizes em seus casamentos e buscam mais liberdade e aventura.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Isabel é casada com o prefeito Adriano (Murilo Benício) com quem vive um relacionamento de aparências. Já Adalgisa, é uma mulher à frente do seu tempo para 1960 que vive um relacionamento moderno com Geraldo (Gabriel Braga Nunes). Em entrevista exclusiva ao Purepeople, as atrizes comentaram sobre a trama.

VEJA TAMBÉM:  Malhação terá 1º beijo lésbico da novela em 22 anos

“Fico muito contente que ela tenha um outro romance, que é misterioso. É onde ela se sente feliz e realizada, onde ela se sente mulher”, conta Mariana Ximenes. 


Adalgisa (Mariana Ximenes) viverá um relacionamento moderno com o empresário Geraldo (Gabriel Braga Nunes) mas se sentirá sempre sozinha.

“Eu acho que a Isabel é uma mulher que tem a ânsia de ser feliz e de furar com aquela bolha em que ela vive. O grande barato da série é esse: mostrar a sociedade que diz que é uma coisa, se coloca de uma forma superconservadora, mas todos têm teto de vidro e algo de obscuro, de secreto, de transgressor. Cada um de um jeito”, opina Débora Falabella.


Isabel (Débora Falabella) viverá um casamento infeliz por medo e por manter as aparências para a cidade de São Miguel na minissérie ‘Se Eu Fechar os Olhos Agora’.

Débora e Mariana também falam o quão  próximo a sociedade ainda está dos valores que existiam na década de 1960. “Depois de tantos avanços é como se a gente desse um passo para trás e isso é o que me angustia. Crio a minha filha para viver em um lugar livre, em um lugar que ela possa ser quem ela quiser. Acredito que muitas vezes estamos regredindo e com isso a resistência vai dar um passo à frente e é assim que vamos caminhando, sempre nessa dificuldade“, declarou Débora.

VEJA TAMBÉM:  “Se eu contar que sim, iam me chamar de lésbica!”, diz Luciana Gimenez perguntada se já beijou mulher

“Espero que as mulheres não desistam do que querem. Até para quem quer ser dona de casa, desde que seja a opção da mulher. Que aquela mulher tenha a escolha dela. Não podemos ter preconceito com isso.”, disse Mariana.

Maikon Stefan
Amante do teatro, tv e de Harry Potter, formado em Técnico em Administração e Bacharel em Ciência e Tecnologia (UNIFESP-SJC). Atualmente cursa Engenharia de Materiais (UNIFESP-SJC). Também foi Presidente da Empresa Júnior (Ectm Jr). "Me chama pra causar que eu vou".