De acordo com o portal Cheat Sheet, o público dos filmes de super-herói está mais cético em relação ao retrato de minorias nos lançamentos da Marvel desde que a Disney comprou a produtora.

Apesar de apoiar publicamente a comunidade LGBTI+, alguns usuários do Reddit acusam a Disney de “puxar o tapete” das pessoas LGBTI+ e de ficar “em cima do muro”, tentando defender os valores tradicionais, possivelmente para atender às grandes audiências conservadoras.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Com isso, personagens que deveriam representar a comunidade são colocados em segundo plano ou apenas em uma ou outra cena para que, quando o filme chegue em países conservadores ou onde os LGBTI+ são criminalizados, o momento possa ser cortado.

O presidente da Marvel Studios, Kevin Feige, é um velho apoiador da comunidade LGBTI+ dentro da empresa, procura trazer o debate da representatividade para dentro da produtora.

VEJA TAMBÉM:  Namorada de jornalista lésbica assassinada comove as redes sociais com homenagem

Na conclusão do primeiro filme dos Vingadores, em 2012, ele foi uma das vozes mais atuantes na defesa de produções com protagonistas mulheres, e quase foi demitido por isso.

“Kevin me disse: ‘Olha, talvez eu não esteja aqui amanhã. Ike[Perlmutter, dono da maior parte da Disney na época] não acredita que alguém assistiria um filme com uma mulher super-heroína. Então se eu estiver aqui amanhã, ganhei essa batalha” revelou Mark Ruffalo, ator que interpreta o Hulk no MCU.

Isaac Perlmutter, citado na fala de Rufallo, é diretor-executivo da Marvel Entertainment e uma das vozes conservadoras mais ativas na empresa. Ele é conhecido por apoiar o presidente Donald Trump e manter votos contra a diversidade no MCU.

Um dos filmes mais aguardados do ano é o lançamento de Os Eternos, que, além de inaugurar um novo grupo na franquia cinematográfica, apresenta um super-herói gay, Phastos, e promete ter o primeiro beijo gay da Marvel nos cinemas.

VEJA TAMBÉM:  Vídeo viraliza ao mostrar homofóbico perseguindo jovem gay em Nova York