Anunciado como um filme de super-herói fora do usual, Aves de Rapina tem sido elogiado devido ao seu elenco liderado por mulheres, mas os dois vilões masculinos têm recebido um tipo diferente de resposta dos fãs.

Os atores Ewan McGregor e Chris Messina interpretam Máscara Negra e Victor Zsasz, respectivamente, no spin-off do filme vencedor do Oscar, Esquadrão Suicída. Houve rumores de que os personagens, em contraste com sua representação original nos quadrinhos da DC, poderiam ser gays.

Isso aumentou quando algumas notícias citaram que a caracterização da Máscara Negra será a de um “homem gay extravagante”, polarizando os fãs e levando alguns a acusar o estúdio de reduzir a sexualidade a estereótipos repetidos.

A especulação foi posta de lado, mais ou menos. Ontem (24 de janeiro) um repórter da Variety pressionou os atores e os pediu à queima-roupa uma explicação. A resposta foi essa:

“É muito complicado”, respondeu McGregor.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“O relacionamento deles têm fundamento”, disse ele antes de tropeçar em suas palavras e acrescentar: “Há um desejo e uma necessidade aí, com certeza”.

Messina acrescentou: “Existe um verdadeiro amor à anarquia”.

McGregor então interveio e disse: “Mais do que provável, sim.”

Pouco antes da entrevista, Messina deu um beijo na bochecha de McGregor.

Antes de seu lançamento em 7 de fevereiro, a vaga confirmação dos atores não se encaixou muito bem com a visão dos fãs, com alguns acusando o estúdio de “queerbaiting”.

O comediante Billie Eichner zombou da resposta dos atores no Twitter: “Honestamente, diga que eles são heterossexuais. Por favor. Chega disso, isso não tem sentido. Imagine como estamos cansados”.

Outros fãs fizeram comentários semelhantes, colocando o “queerbaiting” como “cruel e desrespeitoso”.

Uma parte do filme menos ambígua é a personagem de Renee Montoya, a detetive de Gotham City.

A lésbica será interpretada por Rosie Perez, tornando-se a primeira super-heroína lésbica da DC a estrelar um filme.

Os personagens da DC lideraram o caminho na representação LGBT+, já que até agora ela esteve  limitada exclusivamente a programas de TV.