Supergirl vai lutar contra o vilão “Reality Bytes” no próximo episódio da quinta temporada da sua série, informa o Digital Spy.

“A colega de quarto de Dreamer [super-heroína transgênero do programa], Yvette (atriz convidada Roxy Wood), é atacada por um homem que tinha como objetivo atinger Dreamer, porque ele não gosta de pessoas transexuais e quer que pare de ser uma super-heroína”, revela a sinopse do episódio, publicada pelo canal The CW.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

A sinopse acrescenta: “Determinada a proteger sua comunidade de danos adicionais, Dreamer se recusa a ceder às ameaças e se coloca na linha de fogo para detê-lo”.

“Supergirl (Melissa Benoist) apoia Dreamer e pede ajuda adicional de Brainy (Jesse Rath). Enquanto isso, Alex (Chyler Leigh), J’onn (David Harewood) e Kelly (Azie Tesfai) tentam resgatar um homem preso dentro de uma sala de fuga de realidade virtual”.

VEJA TAMBÉM:  Curta premiado com protagonista trans, “Meu Primeiro Sutiã”, está disponível online de graça

O episódio vem depois que os criadores de Supergirl revelaram a introdução de uma super-heróina trans, em 2018. A atriz que interpreta a personagem, Nicole Maines, é também trans na vida real.

Pouco antes de ser escalada para Supergirl, série popular entre o público LGBT+, Maines revelou durante uma aparição no “The Ellen DeGeneres Show” que enfrentou bullying transfóbico quando criança.

“Eu realmente comecei a pensar que algo não estava certo. Assim que pude, tentei expressar aos meus pais que algo está errado”, disse Maines.

A atriz ainda afirma que o pai não aceitou bem a notícia e resolveu bloquear a informação. “Ele simplesmente ignorou e se concentrou em seus hobbies, e isso deixou minha mãe sozinha por um tempo. Ela não cresceu com as mesmas noções que meu pai”, relata.

VEJA TAMBÉM:  Primeiro bairro trans do mundo é inaugurado na Argentina

Apesar desse afastamento inicial, Maines conta que “quando fui intimidada na escola, ele realmente se adiantou e disse: ‘Não entendi, mas amo meu filho e vou protegê-lo. Faço o que for preciso”.

A artista ainda acrescenta a peculiaridade do seu caso: “meu caso foi meio único, porque eu tenho um irmão gêmeo idêntico e, por ter crescido com ele, ele estava se identificando com todas essas coisas masculinas e estava se sentindo muito confortável em seu corpo”.