Anderson Cooper, estrela de diversos programas da rede americana de televisão “CNN” e um dos jornalistas mais bem pagos dos Estados Unidos, declarou no talk show virtual “Full Circle”, que ser gay é uma das maiores bênçãos de sua vida toda.

Mesmo tendo saído do armário em 2012, o âncora estava respondendo a uma pergunta de uma telespectadora que o questionou sobre seu processo de aceitação da própria sexualidade enquanto ainda era jovem.

“Eu acho que aceitei muito bem. E não apenas aceitei de boa, mas inclusive abracei o fato de que fui um jovem gay recém-saído da universidade nos anos 1980. Isso era motivo de me adorar como sou”, Cooper explicou.

Entretanto, ele deixou claro, posteriormente, que a época era cheia de limitações para os gays, que não podiam visitar alguns países e também ainda não tinham conquistado o direito ao casamento civil nos Estados Unidos.

“Eu sempre adorei viajar e sempre quis ter uma família, então não ter a possibilidade de realizar esses sonhos era algo que não estava na minha visão de futuro naqueles tempos”, falou Cooper.

“Mas, ao mesmo tempo, decidi que não deveria ficar só querendo as coisas e fui atrás de tudo que desejava. E por isso ser gay fez de mim uma pessoa melhor, e até mesmo um repórter melhor”, completou o astro.

Anderson Cooper e paternidade

Nominado pelo “The New York Times” como “o jornalista mais proeminente da TV americana que é abertamente gay”, o astro da telinha viveu durante anos uma relação com o executivo Benjamin Maisani que terminou em 2018. Mas mesmo apesar disso os dois toparam ter um filho juntos, Wyatt Morgan Cooper (batizado em homenagem ao pai de Cooper), que nasceu no ano passado via barriga de aluguel.

Carioca, antenado e intenso. Redator do Põe na Roda e Produtor Digital da Rádio Rio de Janeiro. Amante das artes, desde as cênicas até a fotografia. Taurino com 21 anos, apreciador raiz da cultura pop e um jornalista em construção.