Que Pabllo Vittar vai sempre longe demais, isso não é novidade pra ninguém. Desta vez, a drag queen brasileira e mais seguida do mundo usou sua voz pra, além de cantar, também militar e defender o Brasil, denunciando a fase terrível pela qual o país passa.

Em entrevista à revista norte-americana Vice, o repórter Felipe Canale perguntou sobre Bolsonaro – que tanto prejudicou a imagem do Brasil no exterior, não apenas em temas de direitos humanos, mas meio ambiente e saúde após a pandemia – à Pabllo Vittar, que prontamente respondeu.

“Basta ter um pouco de empatia e bom senso para saber que ele não é bom. Ele não só não tem capacidade para governar este país, mas também não respeita as diferenças, a diversidade. Ele não governa para o povo, apenas para uma elite egoísta. Ele dissemina desinformação e espalha notícias falsas, manipulando uma sociedade já quebrada e carente de necessidades básicas. Inúmeros são os pontos que destacam a importância de dizermos algo e mudarmos o futuro do nosso país”, desabafou a brasileira, que como maior parte dos brasileiros, não aguenta mais viver sob este governo incompetente, genocida, corrupto e fascista.

Além de falar de política e Bolsonaro, a entrevista toda da Vice é repleta de falas memoráveis de Pabllo Vittar. Em outro momento, ela foi perguntada por Felipe sobre quando falou que as pessoas tem que aprender que a comunidade LGBTQ vai muito além da letra G.

“Quando digo isso, penso em todas as cartas da comunidade LGBTQIA +. Todos nós devemos aprender que o G não é a única letra em LGBTQIA +. Temos que reconhecer e abraçar todo o espectro. Por muito tempo, foi dito que todos são iguais, mas na verdade somos todos diferentes. Precisamos celebrar a diferença e o orgulho de ser quem queremos ser. Quando falamos da comunidade LGBTQIA +, não devemos enquadrá-los todos na mesma perspectiva. Existem inúmeras camadas de privilégios que separam cada letra e não podemos ignorar isso”.

Pabllo Vittar responde perguntas de Bolsonaro à RuPaul à Felippe Canale da Vice. (Foto: Reprodução / Instagram)
Pabllo Vittar responde perguntas de Bolsonaro à RuPaul à Felippe Canale da Vice. (Foto: Reprodução / Instagram)

Já quando perguntada sobre três drag queens que admira, Pabllo Vittar citou Enme Paixão, Kaya Conky e Electra McKlein: “São todas drags brasileiras com características e estilos diferentes. Isso é o que me fascina: como o Brasil é diverso e multicultural. De certa forma, tento reunir isso na minha música, essa pluralidade do Brasil”.

E se engana quem pensa que Pabllo Vittar tem alguma rusga com RuPaul, embora já tenha sido noticiado um unfollow no passado. Questionada se gostaria de ser uma jurada convidada do reality, Pabllo prontamente respondeu: “Sim! Por favor, RuPaul, me convide para o seu show! Sou um grande fã de RPDR! Foi uma das razões pelas quais comecei a fazer drag. Meu sonho é que, um dia, eu possa estar naquele painel de jurados tendo uma de minhas músicas na batalha de sincronização labial!”.

Bem, a entrevista é internacional e bem que RuPaul podia ler e considerar, né? Para ler toda matéria na íntegra, onde Pabllo fala à Vice sobre muitos outros assuntos, clique aqui.

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).