A cantora Lady Gaga se abriu recentemente em entrevista ao jornalista Lee Cowan da CBS sobre sua luta pela saúde mental e como isso influenciou seu sexto álbum de estúdio, Chromatica.

“Honestamente, chegou a um ponto em que eu simplesmente desisti totalmente de mim mesma”, ela admitiu. “Eu odiava ser famosa, odiava ser uma estrela. E me sentia exausta e esgotada.”

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Gaga explicou que chegou a se ressentir até do piano que tanto amava na vida: “Eu escrevi tantas músicas neste piano. Eu pensava: ‘Você arruinou minha vida: você me fez Lady Gaga’”.

Todas as faixas de Chromatica, algumas mais obviamente do que outras, falam sobre as próprias lutas de Gaga com questões de saúde mental. Embora Chromatica seja um álbum dançante e pop, as letras das canções exploram traumas enterrados de Lady Gaga nas entrelinhas, passando por questões de doenças mentais como depressão, ansiedade, bipolaridade, dentre outras.

VEJA TAMBÉM:  Lady Gaga mata Bolsonaro com chá de cloroquina? Assista a animação que viralizou na web

A oitava faixa do álbum, 911, é uma faixa pop robótica dos anos 80 que conta a história da relação de Gaga com um medicamento específico. A letra “meu maior inimigo sou eu, pop um 911” refere-se a um antipsicótico que Gaga toma. A diva pop lançou recentemente como videoclipe, um curta-metragem, dirigido por Tarsem Singh, para divulgar a faixa.

Lady Gaga no clipe de 911 (Foto: Reprodução)
Lady Gaga no clipe de 911 (Foto: Reprodução)

Gaga afirmou sobre a obra: “Este curta-metragem é muito pessoal para mim, minha experiência com saúde mental e a forma como a realidade e os sonhos podem se interconectar para formar heróis dentro de nós e ao nosso redor.”

Durante a entrevista com Cowan, Gaga se abriu sobre as complexidades da fama e até problemas de autoagressão e pensamentos suicidas: “Você não pode ir ao supermercado agora, se você for jantar com sua família alguém vem à mesa. Você não pode jantar com sua família sem que isso venha a tona.”

VEJA TAMBÉM:  Novo álbum de canções de ninar de Lady Gaga sai no mês que vem; ouça prévia

Felizmente, ao final da entrevista, Gaga explica que apesar de chegar a pensar que isso nunca aconteceria, ela finalmente encontrou uma maneira de se amar novamente: “Não odeio mais Lady Gaga”, disse ela. “Agora eu olho para este piano e penso,‘ Oh meu Deus, meu piano ’. Meu piano que eu amo tanto, meu piano que me permite falar, meu piano que me permite fazer poesia.”

Você pode assistir a entrevista de Lady Gaga com Lee Cowan na íntegra abaixo:

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).