A nova história nos quadrinhos da DC, “Ink Gotham High”, de Melissa de la Cruz e ilustrada por Thomas Pitilli, apresenta uma nova versão do Batman e do mordomo Alfred.

Na obra, Bruce Wayne é um rico estudante de Hong Kong que vai estudar em uma escola americana. Além disso, Alfred é agora o tio gay de Bruce, que assume a custódia de jovem depois que seus pais são – na tradição do Batman – brutalmente assassinados por ladrões.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

 

Em declarações à Entertainment Weekly , Melissa explicou: “Bruce Wayne é o bilionário. Ele é o homem mais rico vivo. Então pensei: não seria divertido se a família dele fosse chinesa e de Hong Kong? Isso fez parecer possível”.

“Houve um grande fluxo de chineses ricos que se mudaram de Hong Kong para Arcadia em Los Angeles, e é aí que minha mãe mora, sou parcialmente chinesa, meu irmão mora em Hong Kong, então achei que seria ótimo colocar o que eu sei em Bruce Wayne”, relata Melissa.

VEJA TAMBÉM:  DC Comics dá as boas-vindas ao garoto super-herói não-binário

Ela acrescenta que “só queria que ele fosse um pouco mais representativo da minha formação e lhe desse uma família autêntica – Alfred não é apenas seu mordomo, mas também seu tio, seu tio gay de Hong Kong. Dá a ele esse fabuloso brilho de loucos ricos e asiáticos”.

O ilustrador conta que “[Isso] dá uma nova vida ao personagem, especialmente no mundo de hoje, já que estamos vivendo no mundo mais diversificado que, provavelmente, já vivemos. Por isso o Batman em 2020 tem que ser mais representativo”.

A HQ foi lançada no dia 1° de abril e a dupla já deixou claro que está “preparada para uma sequência”.

Essa não é a primeira vez que as história do Batman apresentam personagens LGBT+, há uma saga spin-off dos quadrinhos anteriores que mostra a relação entre a Hera venenosa e Arlequina.

VEJA TAMBÉM:  Marvel Comics celebra seu 1º casamento gay entre dois super-heróis

Para além do mundo dos quadrinhos, a série de TV “Gotham” introduziu uma versão gay de Oswald Cobblepot, o Pinguim, e a nova série da Batwoman apresentou a heroína como lésbica. Além desses, a própria Arlequina, que é bissexual, ganhou um filme solo, “Aves de Rapina”, por mais que ela ainda esteja superando o Coringa na história e não engate nenhum outro romance.