A diretora Lilly Wachowski, que co-dirigiu e co-escreveu a saga Matrix com sua irmã Lana Wachowski, confirmou que a história por trás do roteiro da obra é uma metáfora para a vivência trans.

Lana e Lilly Wachowski co-escreveram e co-dirigiram a trilogia inicial de Matrix, lançada entre 1999 e 2003, antes de se revelarem trans. Depois que ambas se descobriram e assumiram para o mundo na identidade feminina, surgiram rumores de que a icônica série de filmes seria uma alegoria para a experiência trans.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Os críticos sugeriram que a vida dupla do herói Thomas Anderson / Neo, interpretado por Keanu Reeves, poderia significar uma existência trans ainda no armário e a “pílula vermelha” poderia simbolizar pílulas de estrogênio vermelho, além do avisos da Matrix descritos por Morfeu (Laurence Fishburne) serem “como um lembrete constante em sua mente” como uma metáfora da disforia de gênero.

VEJA TAMBÉM:  Lendária, Youtuber revela pra seus 12 milhões de inscritos que é trans (e ninguém sabia!); assista
Diretoras de Matrix: Lana e Lilly Wachowski. Foto:
Diretoras de Matrix: Lana e Lilly Wachowski

Em 2016, o crítico de cinema e YouTuber Film Runner lembrou alguns paralelos entre Matrix e vidas trans, como quando, no filme, sempre se referem a Neo como Sr. Anderson, enquanto seus “amigos usam o nome que ele escolheu para si”.

Agora, depois de anos de especulação, Lilly Wachowski finalmente confirmou que uma narrativa trans em Matrix era a “intenção original” das irmãs. Em uma entrevista ao Netflix Film Club no 21º aniversário do lançamento do primeiro filme, ela disse: “Fico feliz por saber que essa era a intenção original. O mundo não estava pronto para isso. O mundo corporativo não estava pronto para isso na época. “

Wachowski continuou: “Fico feliz que as pessoas estejam falando sobre os filmes de Matrix com uma narrativa trans. Adoro o quão significativo esses filmes são para as pessoas trans e a maneira como elas surgem para mim diz: ‘Esses filmes salvaram minha vida.’

VEJA TAMBÉM:  Apresentadora trans estreia em telejornal no Paquistão

Ela então continuou: “Porque quando você fala sobre transformação, especificamente no mundo da ficção científica, que é apenas sobre imaginação e construção de mundo, consegue passar a ideia do aparentemente impossível se tornar possível, é por isso que isso é muito importante.”

Poster original do filme Matrix
Poster original do filme Matrix

Wachowski explicou que o personagem de Switch, interpretado por Belinda McClory, foi originalmente escrito para ser fluido em termos de gênero, mas a ideia acabou sendo descartada: “O material Matrix era sobre o desejo de transformação, mas tudo vinha de um ponto de vista fechado.

“Tínhamos o personagem de Switch, que seria um homem no mundo real e depois uma mulher na Matrix. Não sei o quão presente minha transição já estava presente no fundo do meu cérebro enquanto o escrevíamos”, continuou ela, “Mas sim, tudo veio daí”, explicou.

“Especialmente para mim e Lana, nós estávamos existindo nesse espaço onde as palavras e nomenclaturas ainda não existiam, então estávamos sempre vivendo em um mundo da nossa imaginação. É por isso que me envolvi com ficção científica e fantasia e jogando Dungeons and Dragons. Era tudo sobre a criação de mundos. E acho que isso nos libertou como cineastas, porque conseguimos imaginar coisas na época que você não via necessariamente na tela.”

VEJA TAMBÉM:  Britney vai contar, ou eu conto? | Direitos LGBT
Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).