“Out” é o novo curta da Disney e Pixar, conta a história de um homem gay enquanto ele tenta criar coragem para sair do armário aos pais quando eles o visitam. O filme, primeiro do estúdio com um personagem principal abertamente gay, foi criado pelo escritor e diretor Steven Clay Hunter e pelo produtor Max Sachar. O curta metragem estreou na plataforma de streaming Disney+ em 22 de maio.

Steven contou que a reação de “Out” foi incrível para um filme que dura menos de 10 minutos, mas disse à Entertainment Weekly que “isso mostra que estamos vorazes para nos ver nas histórias – todos, todos os estilos de vida”.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

No início do filme, um título diz: “Baseado em uma história verdadeira”. Steven explicou que o curta é, de certa forma, baseado na sua história de saída do armário. “Eu estava tentando fazer um filme para o meu eu queer de 17 anos, o cara que precisava ver algo de si mesmo em um filme”, afirma.

VEJA TAMBÉM:  Indígenas e gays: entenda como é ser LGBT dentro e fora das aldeias

O escritor conta que cresceu perto de Ontário, Canadá, em uma pequena cidade onde não havia representação de pessoas LGBT+. “Tudo era apenas ‘errado, errado, errado’. Você quer apenas se livrar e que tudo passe, mas não vai embora. Isso fica. Fica cada vez mais alto e gritando com você para prestar atenção”, relata.

Steven ficou em lágrimas quando começou a desenhar os storyboards de “Out” e disse: “Eu nunca havia desenhado isso antes em toda a minha carreira na Pixar. Eu nunca desenhei dois caras apaixonados”.

Os dois cães do filme Mags e Gigi, que guiam o protagonista Greg para fora do armário, receberam o mesmo nome dos animais de estimação de seu irmão.

Steven agora está ajudando a desenvolver novos projetos para o Disney+, e disse que tem uma tendência a querer contar mais histórias LGBT+, além de acreditar que uma animação longa-metragem com personagens LGBT+ está cada vez mais próxima.

VEJA TAMBÉM:  “Tive medo das consequências”, revela Marcella Rica sobre assumir namoro com atriz

“Apenas espere. Vai acontecer. Nós não vamos a algum lugar. Não é como se de repente todos os filmes fossem sobre a comunidade, mas estamos aqui e somos parte do mundo e, portanto, precisamos nos ver nele”, afirma Steven.