O ator Willie Garson, um dos ícones de Sex And The City, disse ao Page Six que não gostava de dizer aos entrevistadores que era hétero durante o apogeu da série, porque achava que poderia soar ofensivo.

“Durante anos não falei sobre isso porque achei ofensivo para os gays”, disse Garson. “Pessoas interpretando personagens gays pulando para cima e para baixo gritando que eles não são gays, como se isso fosse de alguma forma uma coisa ruim se eles fossem.”

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Stanford foi visto em todas as seis temporadas de Sex and the City, bem como em seus dois filmes derivados, como uma das melhores amigas de Carrie Bradshaw (Sarah Jessica Parker).

Ele foi um dos poucos personagens LGBT+ regulares do programa ao lado de Anthony Marentino (Mario Cantone). Os dois se casaram em uma cerimônia elaborada no início do filme Sex and the City 2, com Liza Minelli à disposição para fazer uma serenata para eles.

VEJA TAMBÉM:  Adam Lambert lança fundação em apoio aos direitos LGBTQ+

No entanto, a série era dolorosamente ignorante quando apresentou personagens bissexuais e trans, e Parker admitiu que falhou em representar “substancialmente” a comunidade LGBT.

Ator de Sex and the City lutou para namorar na vida real

Willie Garson disse que, quando Sex and the City foi ao ar pela primeira vez, ele costumava ser questionado sobre sua sexualidade. O homem de 56 anos acrescentou que retratar Stanford, que era adorado por muitas mulheres por causa de sua natureza adorável, tornava difícil para ele namorar no mundo real.

“No início, você abordaria alguém em um bar e perceberia, oh, essa pessoa quer ser o melhor amigo de Stanford. Eles não querem necessariamente dormir com você”, disse Garson.

O ator de White Collar é pai de um filho de 19 anos, que ele adotou aos sete. Ele explicou que “sempre quis muito ter um filho”, mas a mulher com quem ele se relacionou por 20 anos não. Então ele decidiu adotar por conta própria.

VEJA TAMBÉM:  Tom Holland defende representatividade LGBTQ+ no universo Marvel: “O mundo não é só branco e hétero”