Canção fala de resiliência e gerará um enorme mutirão digital para tentar colocar pela primeira vez um single, com 3 mulheres trans, no TOP 200 do Spotify Brasil.

Raquel Virgínia, Assucena Assucena e Rafael Acerbi, do grupo As Baías, divulgarão mais um lançamento do novo álbum audiovisual, dirigido por Gringo Cardia e Jackson Tinoco, e, produzido por Daniel Ganjaman. A colaboração da vez é com a cantora e compositora Linn da Quebrada em “Onça / Docilmente Selvagem” e será lançada às 21h do dia 19. A música fala de resiliência, força e promove o encontro de 3 grandes artistas trans em um único lançamento.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:
As Baías, trio musical
Trio musical “As Baías” (Foto: Lilo Clareto)

Muito fieis à sua essência e à comunidade LGBTQIA+ que representam, As Baías traz nessa nova faixa reflexões sobre preconceito, luta por espaços e pelo reconhecimento trans. Com o objetivo de elucidar que tal comunidade não deve e não pode ser apenas conhecida por seus algoritmos tristes e violentos, o trio quer virar a chave e mostrar que as trans estão sim no poder, elas brilham e podem tudo!

VEJA TAMBÉM:  Linn da Quebrada lança nova música, ouça “mate & morra”
Linn da Quebrada faz parceria com As Baías
Linn da Quebrada (Foto: Reprodução)

Como? Promovendo um verdadeiro mutirão nas redes sociais – com foco no Twitter principalmente – tendo a missão de fazer a música ser ouvida, assim que disponível, 100 mil vezes em 24h no Spotify Brasil (das 21h do dia 19 para às 21h do dia 20). Cada pessoa pode ouvir a canção até 10 vezes dentro da plataforma. Confira a capa do single abaixo.

As Baías - Onça Docilmente Selvagem
As Baías – Onça Docilmente Selvagem – Single (Foto: Divulgação)

Para esse feito, a banda conta com o apoio da comunidade trans e de diferentes personalidades, entidades e páginas da web ligadas à luta LGBTQIA+ hoje no Brasil. Além de falar sobre a luta trans, As Baías escolheram o dia 19 para lançamento por conta da proximidade da data com o “Dia da Consciência Negra”, 20. Tal data muitas vezes exclui da pauta as mulheres trans negras e isso não pode acontecer.