Em comemoração ao Mês do Orgulho LGBT+, o Uol perguntou a Pabllo Vittar e Lorelay Fox quais foram os principais marcos da comunidade LGBT+ nos filmes, musicas e TV.

Segundo Pabllo Vittar, o estilo de dança Vogue foi muito importante para a comunidade LGBT+. Os movimentos surgiram nos anos 1960 e imita as poses de modelos das revistas de moda.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Toda aquela coreografia, as performances corporais, o carão… stravangaza pura! O movimento é um marco na cultura LGBTQI+ e tem sua história contada no documentário ‘Paris is Burning'”, revelou a artista.

Além de recomendar o documentário “Paris is Burning”, a cantora também indica a série Pose, que retrata a comunidade LGBT+ em meio a epidemia de Aids dos anos 1980 e a importância da cultura dos “balls” (bailes).

“As balls, batalhas, voguers, as houses e os exageros corporais são retratados no documentário junto com a realidade de uma sociedade preconceituosa. A série ‘Pose’ também é inspirada no movimento. Maratonei quando estreou”, afirmou.

VEJA TAMBÉM:  Pabllo Vittar revela que homens ficam nervosos com ela e broxam na hora H

Lorelay Fox também recomenda a produção Pose e explica que a série gera identificação para os LGBTs brasileiros: “É o fato de que travestis, transsexuais, gays que são expulsos de casa e marginalizados, são adotados pelo próprio núcleo LGBT e formam uma família. Pose acima dos bailes e performances, é sobre uma mãe trans que adota pessoas LGBT excluídas.”

A youtuber explica que “por mais que tenham se passado quatro décadas, e a gente ter evoluído muito no que diz respeito à HIV e preconceitos que se moldam em torno da doenças e do tratamento, em outros quesitos ainda temos os mesmos problemas – ainda mais levando em conta a vivência da comunidade LGBT que é preta, tratada na série, e tem que enfrentar o racismo, além da homofobia”.

Lorelay ainda ressalta que a produção é composta por um elenco predominantemente negro e LGBT. “Geralmente assistimos heterossexuais simulando o que seria a nossa vivência e para nós faz toda a diferença sermos representados por um dos nossos, até porque a história do personagem e a história real se colidem”.

VEJA TAMBÉM:  Pabllo Vittar faz revelação sobre o passado com seu pai