A série Pose é um verdadeiro divisor de águas em relação a visibilidade e inclusão de talentos trans. Pela primeira vez uma obra trouxe tantos profissionais não-cisgêneros e pretos em seu elenco pra contar justamente a sua história pelos anos 80 e 90.

O elenco realmente é espetacular! Não a toa, o ator cisgênero Billy Porter foi recentemente indicado ao Emmy 2020, tendo já ganhado Melhor Ator em Série Dramática no ano passado.

No entanto, a ausência de atrizes trans entre as nomeações – uma oportunidade de ouro pela valorização destes grandes talentos descobertos nesta série – foi criticada por fãs e muitas celebridades. Angelica Ross inclusive foi às lágrimas. O único indicado por Pose na edição 2020 do grande prêmio da TV norte-americana é o ator cisgênero (muito talentoso sim!) Billy Porter.

Nada de Indya Moore, Dominique Jackson, MJ Rodriguez, Angélica Ross, dentre outros talentos que não são pessoas cis foram nomeados a qualquer categoria.

Ao ser questionado sobre isso por um repórter, o ator Billy Porter declarou sobre a questão: “Vivo no presente. Vivo positivamente. Estamos chegando com tudo e isso mostra que o mundo mudou! Ponto. Estamos aqui agora e tenho certeza que em mais uma temporada, elas terão a chance”, declarou o ator.

Na postagem acima, o fã de Pose que postou o vídeo se pergunta sobre a resposta: “Billy Porter perdeu a cabeça?! Meu Deus!!”.

Quem também não gostou nada do posicionamento foi a atriz de Pose, Indya Moore. Respondendo um fã que a perguntou qual sua opinião sobre seu posicionamento, ela disse: “Por hora vou dizer – não tenho nada a ver com a maneira como Billy ou qualquer homem cisgênero fala sobre a falta de representação dos brilhantes talentos trans do nosso elenco. Estou machucada e decepcionada sim. E já faz um tempo”.

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).