Muita gente que estiver lendo esse artigo vai dizer: Mas eu já doei!

Sim, mas mentiu.

É protocolo do Ministério da Saúde que homens gays que nos últimos doze meses tenham se relacionado sexualmente com outros homens, ainda que com uso de preservativos, estão no grupo descartado para a doação de sangue.

Essa é outra ação que corre no Supremo Tribunal Federal – com o Ministro Gilmar Mendes – para que a dignidade da pessoa humana seja restaurada e nós, gays, possamos doar sangue sem esse constrangimento.

Três ações tramitavam no Supremo sobre nossos direitos: a criminalização da homofobia, o uso de banheiros públicos pelos transexuais de acordo com seus gêneros e, finalmente a doação de sangue pela nossa comunidade.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Toda vez que eu vejo uma campanha nas televisões sobre os estoques baixos de sangue nos bancos de sangue, fico me perguntando por qual razão os médicos ainda não mudaram esse protocolo.

Se todos os sangues doados são testados, qual a razão para nos impedirem de doar?

Quem disse que só homossexuais têm vírus do HIV?

Isso era um estigma dos anos oitenta quando a Aids foi denominada de Praga Gay.

Todos sabemos hoje que o vírus se espalha por contato sexual mas, não somente entre homens mas, entre homens e mulheres. Aliás, o número de mulheres infectadas é semelhante ao de homens hoje em dia.

De todo modo, a questão não é quem é culpado de que. A questão é que somos uma população enorme, de gente saudável, pronta para doar sangue aos bancos de sangue mas, não somos aceitos como doadores.

O Ministro pediu vistas do processo e parece que está coletando dados técnicos com especialistas para formular seu voto.

Vamos ver o resultado em breve.