Rosemary Ketchum ganhou um assento no Conselho Municipal de Wheeling, se tornando a primeira pessoa trans a vencer uma eleição em West Virginia. Rosemary foi a única trans entre 26 autoridades eleitas dos EUA. Além de ser uma das quatro autoridades eleitas assumidamente LGBT+ na Virgínia Ocidental.

Ketchum prometeu usar seu mandato para advogar por moradias populares, ajudar pessoas em situação de rua, combater o vício e tentar melhorar o transporte público. No entanto, ela também será um símbolo dos direitos LGBT+ na Virgínia, que continua sendo um estado relativamente conservador e não possui proteções antidiscriminatórias a orientação sexual e identidade de gênero.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Em uma entrevista ao jornal local “The Intelligencer” no ano passado, Rosemary observou esse duplo papel: “Me sinto entusiasmada por representar a inclusão, mas não estou fazendo minha campanha baseada em minha identidade de gênero. Temos muitos problemas sistêmicos que precisamos resolver, incluindo a falta de moradia, o vício e a privação de liberdade”, pontuou.

VEJA TAMBÉM:  Boris Johnson surpreende e promete proibir a "cura gay": "Abominável"

“As pessoas não sentem que fazem parte de sua comunidade, e uma das coisas em que precisamos nos concentrar é em por que as pessoas não estão se sentindo parte da mudança. Existem pessoas que nasceram na cidade e não podem mais morar aqui. Existem pessoas vivendo em nossas ruas e sob nossas pontes que não têm acesso a instalações de banheiros públicos. Temos gente procurando trabalho mas não que tem carro e nosso sistema de transporte público não passa das 18h”, continou Rosemary.

Ser a primeira autoridade trans eleita será motivo de inspiração para que outros candidatos trans continuem persistindo na política. O “LGBTQ Victory Fund” apoiou a campanha de Ketchum e a presidente Annise Parker enviou seus parabéns.

“Rosemary quebrou um grande obstáculo na Virgínia Ocidental e se juntará ao número crescente de funcionários trans eleitos que servem em todo o país. As pessoas trans estão gravemente sub-representadas no cargos eleitos, com apenas 26 funcionários pelo país. Portanto, a vitória de Rosemary ressoará muito além de seu estado”, afirmou Annise Parker.

VEJA TAMBÉM:  "Enquanto brancos lutam por casamento e igualdade, negros lutam pela sobrevivência", explica ativista afro-LGBTI

“Sabemos que a carreira de Rosemary inspirará outras pessoas trans de estados conservadores a considerar concorrer a cargos em suas comunidades, e esses candidatos também inspirarão outros. Esse ciclo virtuoso é a chave para a construção de aceitação trans e poder político a longo prazo”, celebrou Parker.