A vereadora pela cidade de Niterói-RJ, Benny Briolly (PSOL),denunciou ter sofrido uma agressão transfóbica por parte do vereador bolsonarista Douglas Gomes (PTC). A agressão ocorreu na tarde de ontem (25), dentro da Câmara Municipal de Niterói. O parlamentar chamou a vereadora de vagabundo e ameaçou agredi-la.

Benny Briolly é uma mulher trans e foi tratada com pronomes masculinos durante a série de ofensa proferida pelo bolsonarista. “Hoje fui agredida com transfobia, racismo e quase fisicamente pelo vereador fascista Douglas Gomes, que segurado pelos meus companheiros de bancada para que não me encostasse. Foi horrível e doloroso!” publicou a parlamentar nas redes sociais.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:
Vereadora trans de Niterói sofre transfobia de vereador bolsonarista: “v*gabundo, moleque, seu m*rda e mentiroso”
Vereadora trans de Niterói sofre transfobia de vereador bolsonarista: “v*gabundo, moleque, seu m*rda e mentiroso”

A equipe da vereadora enviou uma nota à Fórum afirmando que as agressões foram motivadas por um protesto de Benny contra a participação de Douglas na Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Segundo os colegas parlamentares, o deputado sempre pautou seu trabalho na luta contra os direitos humanos.

VEJA TAMBÉM:  “Vejo o pior dos cenários para o movimento LGBT em 2021”, fala Duda Salabert

“Queria fazer uma denúncia de um crime que está sendo cometido, porque liberdade parlamentar não é legitimidade para cometer crime. Aqui nesta Casa o vereador trouxe uma arma de fogo,  fez um post afirmando que é contra a vacinação contra Covid-19, tem um chefe de gabinete que atirou um rojão em minha companheira Walkíria Nitcheroy. Além de defender nitidamente em suas redes sociais o coronel Ustra” dizia Benny em discurso antes da agressão.”

A vereadora afirma que Douglas subiu ao plenário a chamou de “vagabundo, moleque, seu merda e mentiroso” e teria tentado agredi-la fisicamente. “Chorei, senti medo, senti a dor de ser mulher negra e trans na política, mas não recuei. Companheiras me ajudem porque eu não posso andar só!”