Um programa feito pelo governo de Barbados para que pessoas morem e trabalhem remotamente na ilha por 12 meses inclui também LGBTQ+, confirma a primeira ministra do país. As informações são do Loop News Barbados.

“Eu quero dizer que enquanto eu seja a primeira ministra dessa nação, nós aceitamos todos. Todo mundo.”, disse ela.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Mia Mottley, que é a primeira mulher da história a comandar o país, vê o programa como um jeito de dar um boom no turismo depois da pandemia do novo coronavírus, que praticamente travou a economia do país.

“Você não precisa trabalhar na Europa, Estados Unidos ou América Latina se você pode vir aqui e trabalhar alguns meses por um tempo.”

É importante ressaltar que legalmente, relações de pessoas do mesmo gênero são proibidas na ilha, com punição de prisão. Acontece que muito a lei, embora exista, não é aplicada e sua anulação vem sendo discutida. Será que dá pra confiar?

Avatar
22 anos, geminiano, mineiro, jornalista formado pela UEMG. Apaixonado por música e artes de modo geral. Ex-bailarino na teoria mas danço nas festinhas bastante. Sonho em ser amigo da Rihanna e da família da Beyoncé. Provável futuro ex-bbb e quem sabe vencedor da Fazenda.