Uma denúncia do Human Rights Watch revelou que, na Tunisia, a polícia está perseguindo pessoas com suspeita de serem gays com base nas leis anti-gay do país.

Autoridades usam de tudo, de informações privadas de telefones celulares até exames anais forçados na tentativa de provar que os suspeitos sejam gays para poder prendê-los.

A Human Rights Watch afirmou que a medida é cruel, degradante e desumana e fez um apelo para que o país deixe de criminalizar a prática.

O artigo 230 do código penal da Tunísia condena relações homossexuais a até 3 anos de prisão.

“As autoridades locais não tem qualquer respeito a intimidade e práticas sexuais das pessoas, chegando a explorá-las, humilhá-las e violar a privavidade na tentativa de enquadrá-las.”, disse Amna Guelali, diretora da HRW.

Em junho chegou a ser cogitado que autoridades do país estariam estudando descriminalizar a homossexualidade em seu território, mas o assunto não foi a frente mesmo com a pressão de grupos ativistas LGBTs e pelos Direitos Humanos. No início deste ano inclusive, um festival de filmes LGBT chegou a ser proibido por lá.

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).