Lorena da Paulista, uma travesti moradora de rua, foi agredida no último sábado por um segurança do Pão de Açúcar da rua da Consolação, na região central de São Paulo.

Segundo testemunhas, o fato ocorreu na porta do supermercado. “Ele saiu de dentro do mercado dizendo que já tinha acabado o expediente e que agora poderia fazer o que ele queria. E bateu nela até ela desmaiar”, contou a testemunha, que denunciou o crime através de redes sociais com um vídeo em que mostra Lorena ferida.

“Desculpem por postar isso amigos, mas não consigo ver essa situação e ficar quieta”, escreveu na legenda do vídeo.

O vídeo ganhou visibilidade nacional em poucas horas e milhares de comentários pediram o posicionamento da empresa acerca do caso. O Pão de Açúcar, então, por meio de sua assessoria, informou que o segurança envolvido no fato não trabalha na unidade da Consolação, mas na da Angélica, e estava fora do expediente no momento do espancamento.

A rede de supermercados ainda disse que já solicitou o afastamento do funcionário.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Diante da situação, a rede acionou a empresa e solicitou o afastamento imediato do prestador, o que foi feito no mesmo dia, já que não compactua com qualquer ato de violência e intolerância e zela pelo respeito e à diversidade”, esclareceu através de comentários em uma publicação no Instagram. O vídeo foi removido do Instagram*

Atualizado: A rede Pão de Açúcar mandou um comunicado ao Põe Na Roda pelo Twitter: “Com relação ao episódio ocorrido em frente à loja da Av. Consolação na tarde do último sábado (11), a rede esclarece que, após apuração interna, identificou que a pessoa envolvida na ocorrência com a Lorena é um prestador de serviços que trabalhava em outra unidade, na av. Angélica, e que se encontrava, naquele momento, fazendo compras e fora de serviço. Diante do episódio, e como não compactua com qualquer ato de violência e intolerância, a rede acionou a empresa e solicitou o afastamento imediato do prestador das operações da rede, o que foi feito no mesmo dia. Desde o ocorrido, a rede passou a procurar Lorena nas imediações da loja, conseguindo encontrá-la nesta segunda-feira (13.05) para prestar um suporte e auxiliá-la no que ela julgar necessário. A rede, ressalta, ainda, que zela pelo respeito e a diversidade, e permanece à disposição das autoridades para contribuir no que for necessário para os esclarecimentos dos fatos.”