Ameaças, agressões, morte e crimes de ódio envolvendo a população LGBT infelizmente são algo corriqueiro no Brasil. Estatisticamente somos o país que mais mata LGBTs no mundo segundo dados da ONU e Anistia Internacional.

Desde o final do primeiro turno das eleições 2018, temos ouvido essas notícias, mas agora dos agressores sempre ovacionando a figura repugnante do presidenciável homofóbico, misógino, transfóbico e racista, Jair Bolsonaro. Não foram poucas as vezes em que sua figura foi usada como referência durante estes atos de barbárie.

Uma das mais recentes vítimas foi uma travesti ainda sem identificação, morta em frente ao prédio onde vive a apresentadora, ex-integrante da Banda Uó e sempre sensata, Mel Gonçalves. Em seu Twitter, ela desabafou hoje:

Aproveitado a ocasião, Mel desabafou sobre o momento político em que vivemos, onde por incrível que pareça, vemos até pessoas LGBTs apoiando presidenciável que se não pratica, ao menos encoraja este tipo de agressão (e não venham falar que não é homofóbico quem diz que “Filho gay é falta de porrada”, “Gay ninguém gosta, tolera!” ou que “Se eu ver dois homens na rua vou bater!”).

“Dá uma revolta! Uma vontade de gritar tão grande! Apesar disso tudo ainda tem LGBT que vai votar num presidenciável que é a favor disso tudo. Cretinos! Covardes!”, disse Mel.

E finalizou: “Que Xangô tome conta. Tem sangue nas mãos de cada um que se cala!”

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).