O Supremo Tribunal Federal brasileiro se comprometeu a se unir na defesa de minorias como LGBTs, mulheres, negros e gays a partir de 2019 no governo Bolsonaro. As informações foram reveladas pela jornalista Monica Bergamo, da Folha de São Paulo.

O ministro Luís Roberto Barroso afirmou que “O STF desempenhará seu papel no futuro governo.” Na opinião do magistrado, embora o STF tenha entre seus juízes diferentes visões políticas que muitas vezes causam divisões não só entre eles mas entre a própria sociedade brasileira, em relação aos direitos humanos, igualdade e minorias, todos sempre foram unânimes na defesa.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“O Supremo pode ter estado dividido em relação ao enfrentamento da corrupção, havia laços históricos que precisavam ser desfeitos. Mas em matéria de proteção dos direitos fundamentais, o Supremo tem sido firme e unido, como essa questão envolvendo a censura nas universidades bem demonstrou”, declarou.

VEJA TAMBÉM:  Viúvo gay vence batalha judicial para obter seguro social do marido

Como exemplo de decisões fundamentais do STF em favor dos LGBTs, por exemplo, o próprio casamento homoafetivo, como o direito a transgêneros trocarem facilmente nome gênero em seus documentos, foram decisões que se deram na esfera do STF no Brasil, garantindo direitos fundamentais a esta população.

O juiz ainda lembrou que sempre houve unanimidade em decisões a favor das minorias e isso deverá continuar acontecendo: “Em favor das mulheres, dos negros, dos gays, das populações indígenas, de transgêneros, da liberdade de expressão”, lembrou ele.

E continuou: “Essa demanda por integridade, idealismo, patriotismo, traz junto com si uma exigência da democracia como premissa de qualquer coisa. Democracia significa que a maioria governa e respeita o direito de todos”, disse Barroso.

Inclusive recentemente tivemos um bom exemplo disso quando o STF foi unânime em relação a se colocar contra o impedimento de manifestações políticas nas universidades brasileiras.

VEJA TAMBÉM:  Estado de SP é condenado a indenizar mulher lésbica por negar licença-adoção

No último dia 25, algumas universidades do país foram alvos de ações da polícia por ordem de Tribunais Regionais Eleitorais, para cobrir supostas infrações à legislação eleitoral a três dias da votação do segundo turno.

No dia seguinte o STF e o ministro já se manifestaram em defesa do direito de estudantes se manifestarem politicamente: “Polícia só deve entrar em universidade de for para estudar”, disse Barroso na ocasião.

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).