Membros do Sydney Gay and Lesbian Mardi Gras, a Parada LGBT+ de Sidney, devem votar para proibir a polícia e os serviços penitenciários de participar do desfile.

O grupo ativista Pride in Protest quer forçar uma mudança de longo prazo na votação de amanhã (5 de dezembro), conta o Gay Star News. A moção pede ao evento que proíba a polícia e organizações associadas de ter carros alegóricos em todos os seus desfiles futuros.

Ele declara: ‘Isto é pelo reconhecimento à imensa violência perpetrada pela polícia e serviços corretivos contra as comunidades encarceradas excessivamente, particularmente LGBTQIA+ que não se sentem seguras e são excluídas como resultado de participação da polícia e do serviço corretivo no desfile”.

A organizadora do Orgulho em Protesto, Bridget Harilaou, disse: “O movimento Black Lives Matter inspirou uma responsabilidade global de cada ser humano de reconhecer os danos e o enorme custo de vidas humanas que vem nas mãos da polícia.”

Os ativistas esperam persuadir os membros da Parada e estão tentando fazer com que seus membros sejam eleitos para o conselho do evento. No entanto, os membros votaram contra moções semelhantes em duas reuniões anuais anteriores.

Sidney terá mudanças no calendário da Parada em 2021

A Comissária Assistente Gelina Talbot, que apoia policiais LGBT+ na Polícia de New South Wales, disse que a força ainda deseja marchar como faz desde 1996 quando Sidney celebrou o primeiro desfile.

Talbot disse em um comunicado: ‘Reconhecemos nossa história e, portanto, a importância de trabalhar em estreita colaboração com a comunidade e participar do Festival de Mardi Gras, para reduzir as barreiras à denúncia de crimes e para declarar publicamente e com orgulho nosso apoio à comunidade LGBTIQ’.

Enquanto isso, Sidney Mardi Gras já teve que mudar o formato para 2021. O evento segue no sábado, 6 de março, apesar da pandemia do coronavírus. No entanto, os organizadores mudaram a rota usual de Oxford Street para Sydney Cricket Ground.

Os carros alegóricos do Mardi Gras e 5.000 manifestantes circundarão o estádio enquanto um público de 23.000 assiste nas arquibancadas. Será a primeira vez para o evento, que foi realizado no início deste ano antes que a pandemia atingisse a Austrália.