Protestos, polícia, radicais dos dois lados. Chile? Não, esse é o Brasil daqui a alguns anos.

A reforma da previdência é um dos maiores engodos contra os trabalhadores que já se viu na vida. Prometendo acabar com privilégios, a proposta foi maquiada como uma noiva feia que, no dia do casamento aparece linda.

Os funcionários públicos que têm salários de marajás; os funcionários do Poder Judiciário que, pelo Brasil afora acumulam cargos e gratificações; os militares de patente graduada que são os que mais ganham e que se aposentam primeiro, estão fora da reforma.

Aliás, reformou o que mesmo? Reformou a forma como os pobres não vão se aposentar.

A idade mínima de sessenta e cinco anos e trinta e cinco de contribuição passa longe da média de vida das pessoas pobres pelo Brasil afora.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Neoliberalismo é isso: ricos cada vez mais ricos e pobres cada vez mais pobres.

Antigamente, todos que se aposentavam sabiam que poderiam contar com um mínimo para sobreviver. A partir de agora, nem isso temos certeza pois, ainda que você seja empregado, recolha corretamente sobre o teto de seus vencimentos, o fato é que trinta e cinco anos de contribuição com mínimo de sessenta e cinco anos de idade vão dar mais ou menos, um e meio salários mínimos quando você se aposentar.

Foram os partidos de esquerda que tentaram, num último sopro, aprovar o bônus de sessenta e cinco por cento que seria dado a oficiais das Forças Armadas também para os praças.

Não conseguiram. O Governo quer agradar os funcionários ricos. Os pobres, sejam eles das Forças Armadas ou de qualquer natureza, não interessam aos governos de uma forma geral.

Mas por qual razão a reforma era tão alardeada?

É que parte do dinheiro da previdência serve para pagamento do déficit da dívida pública e não para pagar aposentados.

Quanto menos se pagar aos aposentados, mais se paga pelos juros da dívida. Veja que já foi anunciado que haverá uma diminuição de cem bilhões no déficit público deste ano. Por quê? Porque já se desonerou a previdência dos mais pobres.

Veremos como a coisa vai ficar daqui a alguns anos quando as pessoas que pagaram por muitos e muitos anos  e estão na faixa dos cinquenta anos agora, irão se aposentar com sessenta e cinco…