O Brasil foi pioneiro e reconhecido mundialmente pelas políticas públicas de tratamento de pacientes portadores de vírus HIV. O Ministerio da Saúde foi, inclusive, referência mundial no tratamento de doenças infecto contagiosas e, referência na distribuição de medicamentos (o coquetel), gratuitamente na rede pública de atendimento.

Uma das primeiras coisas que este governo fez em maio de 2019, foi extinguir o departamento de HIV/AIDS do Ministério da Saúde.

Num governo que é contra o tal viés ideológico, o que mais se vê é a ideologia de cérebros pequenos e tacanhos e, mistura de religião com política num estado laico.

O recado ao povo brasileiro e ao mundo é que as políticas públicas de atendimento a IST’s (infecções sexualmente transmissíveis) não são prioridade neste governo de pastores fanáticos e de lunáticos fundamentalistas.

Agora, numa declaração absolutamente infeliz, como a maioria das que faz, o presidente disse que uma pessoa com HIV é despesa para todos no Brasil. Sua fala é ignorante porque ignora que todos (independentemente de serem LGBT’s) estão expostos ao vírus. Ele entende, como nos anos 80, que a AIDS é a peste gay como era chamada no início.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Milhares e milhares de maridos e esposas heterossexuais foram infectados por conta da falta de uso de preservativos em relações extraconjugais e, o presidente ainda acha que só os portadores do vírus são despesa para todo o Brasil.

A maior despesa para o povo brasileiro é sustentar ignorantes no poder. Todavia, política pública de saúde não é despesa, é investimento. Gasta-se muito menos na prevenção do que no tratamento.

A cabeça tacanha deste governo entende até que política pública de evitar a gravidez na adolescência é fomentar a abstinência sexual de adolescentes. Pura sandice cristã como eles mesmos se intitulam.

Isso sim é gastar dinheiro público a toa. Esperar que jovens não tenham relações sexuais porque a ministra crente fez uma campanha com este grau de ignorância…