Trocar gênero e nome nos documentos já foi um martírio para muitas pessoas trans até pouco tempo atrás. Após a decisão recente do STF, que dispensou a necessidade de autorização de juiz ou laudo médico para uma pessoa decidir por sua própria identidade, tudo ficou muito mais fácil. Basta ir a qualquer cartório com os documentos necessários e solicitar.

Claro que, como tudo em se tratando de cartório e documentos, normalmente se envolve taxas e impostos. Sendo assim, pessoas trans de baixa renda muitas vezes acham que não podem corrigir suas identidades. Isso é um engano!

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Se você não tem condições financeiras de arcar com as taxas de retificação de nome e gênero, você pode solicitar ajuda da Defensoria Pública pra isso, pedindo sua Declaração de Hipossuficiência.

VEJA TAMBÉM:  Pela 1ª vez, Justiça brasileira reconhece mulher trans como mãe de seu filho

Em um post bastante didático, o Bicha da Justiça explicou como se faz passo a passo. Atestando sua incapacidade financeira, cartórios são obrigados por lei a realizarem o procedimento sem cobrar as taxas do procedimento.

Fique atento aos seus direitos!

VEJA TAMBÉM:  Corte da Europa decide que Rússia não pode mais proibir Parada LGBT no país
Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).