A autora de “Com Amor, Simon”, Becky Albertalli, assumiu sua bissexualidade após ser acusada de “ser uma heterossexual lucrando com a comunidade LGBTQIA+”.

Albertalli, autora de “Simon vs. a Agenda Homo Sapiens”, “Com amor, Creekwork”, “Com amor, Simon” e que recentemente escreveu o ‘spin-off’ de “Com amor, Victor”, sempre se apresentou como uma mulher heterossexual.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Em um ensaio recente para o portal Medium, Albertalli disse que foi muito acusada de “lucrar com comunidades com as quais não tinha conexão” e ser “o exemplo perfeito de inautenticidade”.

“Tenho 37 anos. Estou casada com um homem há quase dez anos e feliz. Tenho dois filhos e um gato. Eu nunca beijei uma garota. Eu nem mesmo percebi que queria. Mas se eu refletir sobre meu passado, tenho certeza que tive uma queda por meninos e meninas durante a maior parte da minha vida. Eu só não sabia que paixões por garotas eram paixões”, afirmou Becky.

VEJA TAMBÉM:  Alice Júnior: Comédia adolescente traz protagonista trans; saiba onde ver

“De vez em quando, eu sentia esse tipo de atração por alguma garota que eu conhecia vagamente da escola ou acampamento ou aula de dança depois da escola. Eu ficaria um pouco preocupada por algumas semanas com o quão legal, fofa ou interessante ela era e o quanto eu queria ser amiga dela. Nunca me ocorreu que esses sentimentos fossem atração”, continuou ela.

“Eu conheci algumas pessoas que eram abertamente gays ou lésbicas, mas não acho que conheci uma pessoa abertamente bi-pessoa até a faculdade. No entanto, ao escrever ‘Leah fora de sintonia’, a sequência de ‘Com amor, Simon’, que apresenta uma história de amor entre duas garotas, comecei a questionar essas coisas. Mas o questionamento significava: Eu fechei a tampa daquela caixa e esqueci que alguma vez a abri.”

Com Amor, Simon: autora é forcada a se assumir bissexual após críticas
Cena de “Com amor, Simon” | Foto: Reprodução/Filme

Então ela desabafou: “Você sabe o que é uma loucura? Ter sua identidade sexual questionada aos 30 anos, quando todo autodenominado especialista em literatura no Twitter tem que compartilhar sua opinião sobre o assunto. Imagine centenas de pessoas afirmando conhecer cada nuance de sua sexualidade apenas pela leitura de seus romances. Imagine tentar abrir espaço para sua própria incerteza”.

Albertalli disse que não era dessa forma que ela gostaria de assumir sua bissexualidade “Honestamente, estou fazendo isso porque fui forçada, provocada, ridicularizada, ensinada e invalidada quase todos os dias durante anos, e estou exausta. E se você acha que sou o único autor homossexual enrustido sentindo essa pressão, não tem prestado atenção”.

Ela afirmou que não está tentando abafar as críticas aos seus romances, mas acrescentou: “Se eu posso pedir algo, é o seguinte: você vai sentar um minuto com o desconforto de saber que pode ter errado sobre mim? E se o seu impulso imediato é examinar minha vida pessoal, meu casamento ou minha história romântica, você pode tentar verificar a si mesmo?”

VEJA TAMBÉM:  Existe um jeito “bi” de se sentar? Designer cria cadeira para bissexuais, a bi-chair

“De qualquer forma, tudo isso é para dizer: Sou Bi. Desculpa se demorei tanto para me assumir.”, finalizou.